Mostrando postagens com marcador mulher. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador mulher. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 8 de agosto de 2017

segunda-feira, 17 de abril de 2017

Mãe de Legging, de Sapato Baixo, de Cabelo Preso...


Sempre ouço alguém dizer a expressão "mãe de legging" para se referir àquela mãezinha que está sempre com uma calça de ginástica, uma legging ou peça parecida. Um bom tênis também costuma estar no pé. 

Algumas dessas mães estão indo ou voltando da prática de atividade física, algumas podem trabalhar com serviços que demandem esse tipo de roupa e algumas podem usá-la por falta de opção, por falta de conforto em outras peças, por não possuir o manequim social, por falta de tempo, por falta de recursos, por falta de alguma coisa ou muitas coisas. 

Só que é comum as pessoas falarem de "mãe de legging" de uma forma pejorativa. 

Eu não sou de usar legging, mas adoro um sapatinho baixo. 

A maternidade transforma! Em todos os sentidos. Nunca fui de ser apegada em moda. Gosto de ter meu próprio estilo. Gosto de estar confortável. Eu costumava andar de salto até dentro de casa antes de ter filho. Era um vício. Comecei a usar sapato baixo durante a gestação e não larguei mais. Ainda tenho um amor por salto, mas só uso em ocasiões muito atípicas. 

Eu gosto mesmo é de vestir o que quiser. De sentir conforto. De sentir liberdade para usar qualquer coisa. 

empoderamento materno, maes livres e se sentindo bem.

quarta-feira, 8 de março de 2017

Mulher e Mãe (e outras coisas mais)


Dia Internacional da Mulher: 08 de março... É preciso um dia para a mulher? 

O dia 08 de março foi consagrado após diversas lutas e reivindicações das mulheres, por melhores condições de trabalho, por igualdade de direitos trabalhistas, por direitos sociais, por direitos políticos e por uma série de outras questões que se estendem até os dias de hoje. Lutas e reivindicações que fortificaram na segunda metade do século XIX. Não ouso dizer que iniciaram nesta época, porque eu duvido que desde que o mundo é mundo não tenha existido uma mulher que lutou (e pode ser que tenha sido jogada na fogueira por isso) para ter direitos básicos. 

E os movimentos, comumente, foram reprimidos por violência. Ainda hoje são! Em vários lugares do mundo, onde nem mesmo é consensual o direito da luta feminina. Mesmo onde é, a repressão transita por uma diversidade de formas. 

É tudo controlado! 

A roupa, o modo de sentar, a profissão, os hábitos de consumo, o corpo... Para não falar do assédio, da agressão verbal e física, das "brincadeiras" machistas.

Se ser mãe muda? Costumo achar que piora.

Ser mãe nesta sociedade significa que você é estranha por aproveitar a vida de qualquer forma que não seja com a maternidade. Que você não pode gostar de carnaval. Que é melhor você andar de burca. Que você é problemática por não ter um relacionamento amoroso bem sucedido. Se for viúva: matou o marido. Se for divorciada: ele não aguentou a chatice. Se for solteira: ixi! Nunca mais vai se relacionar com ninguém. Se você trabalha fora: prefere a vida profissional do que os filhos, terceiriza a maternidade. Se você não trabalha, é empreendedora, trabalha em casa, tem "mais tempo perto da família": é rica! É a do lar, que o marido banca. Se você estuda: como consegue?! Como se mãe não tivesse o direito de estudar. Ser mãe de estado civil solteira, que trabalha fora e estuda... Definição social de "olhe com reprovação".

Já somos julgadas o tempo todo. Não precisamos de mais críticas. 

Mensagens 10

terça-feira, 31 de janeiro de 2017

Deixe sua esposa sair sozinha!

A um tempo atras eu escrevi um post que foi sucesso total entre os maridos: Deixe seu marido Jogar Bola! Muitos maridos, mas muitos mesmoooooo, mandaram esse post para as esposas dizendo, "viu? Olha ai! Eu tenho que ir jogar bola!"...
Então hoje eu vim aqui para nos defender! MARIDOS, DEIXE SUA ESPOSA SAIR SOZINHA!

Deixe sua esposa sair sozinha!
Amigo Oculto de Final de Ano das Colunistas do Mamãe Sortuda! Parceiras e amigas!

quarta-feira, 1 de junho de 2016

Jovem. Estudante. Trabalhadora. Mãe. Eu Luto pelo Fim da Cultura do Estupro.


O fim do mês de maio foi marcado, lamentavelmente, pela notícia do estupro coletivo no Rio de Janeiro. O caso ficou conhecido após um grupo de homens filmar e compartilhar nas redes sociais a imagem da jovem violentada. 

Sei que muitas pessoas vão pensar "mais uma postagem sobre o assunto na internet", mas a verdade é que não podemos nos cansar de falar sobre isso. A cultura machista envenena e domina as pessoas sem que elas percebam (ou percebem e o fazem propositalmente). Não podemos deixar de lutar pela nossa integridade, por nossos direitos, por todas as mulheres que sofreram e sofrem violência. Sim! Temos que protestar por direitos, pela dignidade humana. Manifestar nossa revolta contra a violência.

Fonte: Pensamento Sem Nexo