Mostrando postagens com marcador gravidez. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador gravidez. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 29 de novembro de 2017

Gravidez e a amamentação

Desde que contei pra vocês que estou gravidinha novamente, a pergunta que mais recebo de vocês é se pode continuar amamentando na gravidez!! Então preparei esse post especial para esclarecer as dúvidas!!
gravidez, amamentação, amamentação tandem, amamentação prolongada, amamentar grávida

quarta-feira, 22 de novembro de 2017

Relato de parto: Escute o seu coração!

Era quinta feira, última consulta antes do parto, que estava marcado para o domingo. Saindo do consultório, minha querida Dra Maria Inês se despede assim: "Até domingo! Isso se você não me ligar antes, a lua vira hoje!" Ri, mas saí mais murcha que alface ao meio dia! A cesariana estava marcada e eu não estava feliz, queria muito o parto normal ou pelo menos tentar.

relato parto normal


terça-feira, 22 de agosto de 2017

Ensaio para revelar a gravidez!!

E o nosso tão sonhado segundo positivo chegou!! E nessa gravidez eu quis fazer tudo diferente desde o começo! Não que eu não tenha aproveitado aproveitado a primeira! Aproveitei e muito! Mas essa gestação quero levar de maneira mais leve, sem tantas neuras e preocupações (ou pelo menos outras!)

Gravidez, mãe de segunda viagem, ensaio revelação, ensaio criativo , fotos criativas de gravidez

segunda-feira, 31 de julho de 2017

Ultrassonografia no segundo trimestre de gravidez: o que precisa ser avaliado?



gestação sexo do bebê, gravidez, Gui Mazzoni, malformação, Mamãe Gatona, Nasceu uma Mãe, segundo trimestre, Ultrassonografia
Fonte: Flávio Siqueira
No segundo terço da gestação, o feto atinge um tamanho que permite avaliar sua anatomia de modo bastante detalhado. Assim, nesta fase se concentra muito a pesquisa de malformações fetais e marcadores ultrassonográficos de cromossomopatias, ou seja, doenças cromossômicas. Diversas alterações anatômicas ocorrem independente da existência de doenças cromossômicas ou genéticas, porém há malformações que são conseqüências de tais tipos de doenças. Desta forma, as alterações que, sabidamente, se associam a doenças cromossômicas são denominados de marcadores os quais se dividem em maiores e menores. Os chamados marcadores maiores são alterações que, estatisticamente, tem forte associação com determinada síndrome e, de um modo geral, costumam ser alterações graves. Contrariamente, os marcadores menores de cromossomopatias são alterações, frequentemente, discretas que possuem fraca associação com doenças cromossômicas. Uma dificuldade com a qual se depara é distinguir se os marcadores menores fazem parte de um quadro de uma doença sistêmica ou se são características normais do feto, as chamadas variações anatômicas. Como os alterações cromossômicos estão presentes em todas as células do corpo, todos os sistemas orgânicos podem estar de algum modo comprometido. Isto permite um raciocínio lógico que consiste na elevação da probabilidade de determinada alteração estar relacionada com uma cromossomopatia na medida em que haja concomitância de outras alterações, sejam menores ou maiores. Estatisticamente, quanto maior o numero de alterações presentes, maior a chance de haver uma doença cromossômica. Esta é a mesma lógica de um detetive, que à medida que encontra maior número de pistas, infere a cerca de determinada hipótese.

gestação sexo do bebê, gravidez, Gui Mazzoni, malformação, Mamãe Gatona, Nasceu uma Mãe, segundo trimestre, Ultrassonografia
Fonte: A gravidez
Mas como deve ser realizada esta pesquisa da formação fetal? O exame ultrassonográfico obstétrico morfológico realizado entre 20 e 24 semanas é a resposta. Alguns preferem nomear de exame morfogenético devido ao caráter da pesquisa de sinais de doenças de origem genética. Este é um exame que exige muita sistematização e paciência do examinador. O feto não faz “pose” para as fotografias ultrassonográficas, daí a importância de, muitas vezes, ser necessário esperar uma mudança da posição fetal para que se possa conseguir o plano anatômico adequado para avaliar inúmeras estruturas. O profissional que realiza o exame deve possuir aprofundado conhecimento da grande diversidade de doenças que acometem a gestação e os seus principais sinais que faz sugerir o diagnóstico. Porém, as alterações que podem atingir o feto são infinitas, o que impede a qualquer médico, por mais experiente e melhor formação que tenha, conhecer todos os diagnósticos possíveis. Por isso, não é nenhum demérito, e torna-se até importante, a necessidade de muitas vezes o ultrassonografista necessitar estudar melhor o caso e, também, discutir com colegas da área. Toda esta vastidão de possibilidades torna um aspecto bastante relevante: a capacidade do examinador em reconhecer a anatomia fetal normal. Examinar com muita atenção o feto em toda e qualquer gestação, permite desenvolver o conhecimento do que é normal e de suas principais variações. Uma vez que se identificam alterações deste padrão, parte-se para o raciocínio a fim de “encaixá-las” em um determinado diagnóstico. Como referido acima, quanto maior o número de alterações, maior a chance de estar associada uma cromossomopatia. Torna-se, então, muito importante definir se determinada alteração é isolada, o que geralmente tem menor associação com doença cromossômica, ou se há concomitância de outras alterações, elevando o risco. Um fator que se relaciona com esta conclusão é o tanto que o ultrassonografista se dedica ao exame. Um exame extremamente rápido reduz a possibilidade de se encontrar maior número de desvios da normalidade. Como cada alteração encontrada determina um certo grau de elevação de risco, alterações associadas produzem riscos multiplicados tornando a chance de cromossomopatias mais elevada. De modo inverso, exames bem executados e detalhados, demonstrando normalidade das estruturas anatômicas avaliadas, eleva a chance de redução de risco de doenças cromossômicas proporcionalmente, também, ao número de achados normais.

gestação sexo do bebê, gravidez, Gui Mazzoni, malformação, Mamãe Gatona, Nasceu uma Mãe, segundo trimestre, Ultrassonografia,
Deve-se, então, adotar uma rotina de exame, numa sistemática que permita avaliar todo o feto, sem se esquecer de nenhuma estrutura. Não importa qual a sequência escolhida, como do pólo cefálico até os pés, mas, sim, possuir uma sistemática que reduza a chance de esquecer algum detalhe. Muito válido é possuir um check-list para se certificar que todo o feto foi devidamente avaliado.

Importante ressaltar que, apesar do segundo trimestre de gravidez ser um momento ideal para se avaliar a anatomia fetal, não são todas as estruturas anatômicas e nem todas as malformações que são melhor identificadas nesta fase da gravidez. Por, exemplo, alterações cardíacas, renais e cerebrais, podem ser identificadas no segundo trimestre, mas têm no terceiro trimestre, uma maior facilidade de identificação devido à maior evidência proporcionada pelo crescimento. As alterações intestinais são tipicamente identificadas no terceiro trimestre. Outras alterações podem surgir em fases mais tardias, como, por exemplo, as infecções e, por isso, determinar alterações também tardias. Já outras doenças exibem características intermitentes, como, por exemplo, a hérnia diafragmática, fazendo que ora haja presença de alças intestinais dentro do tórax exibindo peristaltismo, local este extremamente atípico, ora as alças “retornam” ao abdome impedindo ao ultrassonografista de fazer o diagnóstico desta grosseira malformação.

A figura 1 abaixo demonstra imagens de algumas partes do feto que compreendem o estudo morfológico.
gestação sexo do bebê, gravidez, Gui Mazzoni, malformação, Mamãe Gatona, Nasceu uma Mãe, segundo trimestre, Ultrassonografia
Imagens ultrassonográficas realizadas pela técnica via abdominal para estudo morfológico exibindo alguns planos de corte padrão: A) polo cefálico; B) lábios e nariz; C) face; D) perfil da face, E) coluna vertebral ; F) imagem das 4 câmaras cardíacas; G) abdome; H) mão e antebraço; I) membro inferior.


Sabe-se que o comprimento do colo uterino se associa com o risco de parto prematuro. Há uma relação inversamente proporcional de quanto menor o comprimento do colo uterino, maior o risco de parto prematuro no segundo trimestre de gravidez, identificação esta conseguida por ultrassonografia via transvaginal. Não há consenso de qual valor do comprimento uterino que seja o mais adequado para servir de referência para se adotar medidas preventivas do parto prematuro, como, por exemplo, uso de progesterona. Porém, o valor de referência mais aceito como elevação de risco de prematuridade é comprimento inferior ao 2,5 cm. Mais importante que o comprimento do colo uterino como preditor de prematuridade é uma história deste fenômeno em gestação anterior que, somada ao achado de colo curto, eleva ainda mais o risco. Não obstante, a cultura atual de nossa sociedade é ter poucos filhos, fazendo com que muitas mulheres não possuam uma história obstétrica que sirva de referência. Daí o crescente valor da mensuração do colo uterino, via ultrassom transvaginal, no segundo trimestre de gravidez. A figura 2 abaixo demonstra o aspecto ultrassonográfico de um colo uterino normal.

gestação sexo do bebê, gravidez, Gui Mazzoni, malformação, Mamãe Gatona, Nasceu uma Mãe, segundo trimestre, Ultrassonografia

Técnica transvaginal demonstrando imagem ultrassonográfica do colo uterino exibindo a medição de seu comprimento (pontilhados amarelos) 

A ultrassonografia é um método que apresenta limitações. Trata-se de uma ferramenta diagnóstica que não produz imagem real das estruturas estudadas, mas representativas de tais estruturas. Acrescido a isso, algumas doenças podem se iniciar, ou exibir sinais, em momentos cronológicos posteriores ao da realização do exame. Não se pode esquecer, ainda, da intermitência de achados ecográficos de algumas doenças que podem acometer o feto, dificultando o diagnóstico. Há fatores que independem da vontade do examinador e que, claramente, reduzem a qualidade da imagem, como a obesidade materna, pela interposição de espessas camadas da parede abdominal materna dificultando a penetração do som e a redução do volume do liquido amniótico (o liquido é um ótimo condutor do som, servindo, por isso, como meio de contraste natural que uma vez reduzido, piora a qualidade da imagem). Por tudo isso, a humildade é a palavra chave para o ultrassonografista, que precisa se dedicar muito ao exame, bem como com sua formação. E, de outro lado, a compreensão das pacientes quanto a tais limitações favorecem uma saudável relação médico-paciente.


Gui Mazzoni, Padrinhos, Medicina, Obstetricia, Padrinhos Mamãe Sortuda, Eccos, Sonofotografia

quinta-feira, 20 de julho de 2017

Ensaio fotográfico: Revelação do sexo do bebê


Olá, mamães! Hoje vim contar para vocês sobre um ensaio fotográfico que amei fazer: Revelação do sexo do bebê. 


Ensaio de revelação do sexo do bebê
Foto: @mamimodelphoto

terça-feira, 11 de julho de 2017

Casamento com a chegada dos filhos : 14 coisas que ninguém te contou

Olá, pessoas sortudas!

Vamos falar daquelas coisas que ninguém fala com a gente? Casou , teve filhos, tem passado aperto aí? Tá certo, ninguém casou aqui e achou que fosse um conto de fadas! Nasceu aquela coisinha mais linda do universo que te apresentou a maternidade ou paternidade, e será mesmo que você ainda achou que seriam só flores? Já descobriu que não é, né? Ou até pode ser flor, mas aquela que nasce na ponta de um mandacaru espinhento! Hahaha! Queridos solteiros e futuras mamãe ou papais, não achem que eu sou uma congeladora de corações ou uma devastadora de sonhos, só peço que leiam até o final!

gravidez e casamento
foto : Tanto Mar fotografia

segunda-feira, 29 de maio de 2017

Ultrassonografia no primeiro trimestre de gravidez: qual a sua importância?


A ultrassonografia é um importante método de avaliação da gestação ao longo de todo o período gestacional. Cada trimestre tem os seus aspectos mais importantes que devem ser investigados. Abordaremos aqui questões relacionadas ao primeiro trimestre.

Ultrassonografia, primeiro trimestre, translucência nucal, TN, Nasceu uma Mãe, gravidez, sexo do bebê, é menino, é menina, Mamãe Gatona, síndrome de down, doença cardíacas

A gravidez é um contínuo, um processo evolutivo. É como um filme, sendo que o ultrassom permite fotografar momentos que permitem inferir a respeito da saúde fetal.

Vivemos num mundo em que a velocidade da troca de informações é muito elevada, havendo uma demanda da sociedade em tomar conhecimento, o mais rápido possível, de tudo que possa estar ocorrendo. Haja vista o sucesso que a telefonia móvel obtém desde o seu surgimento. Como estamos situados neste contexto, existe igual demanda por precoce informação a respeito da saúde da criança que chegará. Isto é, em certo grau, propiciado pela ultrassonografia, mais notadamente expresso já no primeiro trimestre de gravidez, quando inúmeros questionamentos já são formulados.

A principal pergunta a ser respondida em qualquer decisão que se seja necessária tomar é: qual a idade gestacional? Calcula-se a idade gestacional, principalmente, baseando-se tanto pela data do início do último período menstrual quanto pelas medidas fetais durante a ultrassonografia. Comprovadamente este último método é o mais confiável. Sabe-se que na fase inicial da gravidez, o embrião exibe crescimento corporal numa velocidade muito grande, chegando a cerca de 1 mm por dia. Já no último trimestre, estrutura como o fêmur que é importante parâmetro da determinação da idade gestacional, cresce cerca de 1 mm por semana. Além disso, no primeiro trimestre os embriões e fetos apresentam grande semelhança de tamanho, ao passo que no último trimestre de gravidez o feto pode exibir características familiares, tornando-se maior ou menor que a média para a idade gestacional. É aceitável uma discordância nas mensurações entre dois ultrassonografistas experientes de cerca de 1mm. Como o cálculo da idade gestacional é baseado no tamanho do embrião e de estruturas fetais, sabe-se que um erro de 1 mm na fase inicial significa um dia de discordância, o que é desprezível. Já na fase final, 1 mm pode significar um erro de uma semana, o que é inadequado. Aliado a isto, no terceiro trimestre, o maior ou menor tamanho pode não significar idade gestacional mais avançada ou mais nova, caso o feto exiba crescimento relacionado com a composição genética familiar ou, até mesmo, problemas relacionados a crescimento. Assim, é muito importante que em toda gravidez seja realizado uma ultrassonografia no primeiro trimestre de evolução para que se tenha certeza da idade gestacional. Isto baseará todas as futuras decisões na gravidez. Deve ser ressaltado que uma vez determinada a idade gestacional, ela não se modifica por exames posteriores discordantes. Se ultrassonografias posteriores concluírem uma idade gestacional maior que o esperado em relação ao primeiro exame realizado no primeiro trimestre de gravidez, significa, simplesmente, que o feto cresceu acima da média. O mesmo raciocínio é realizado para o crescimento menor que o esperado nos exames seriados.

Ultrassonografia, primeiro trimestre, translucência nucal, TN, Nasceu uma Mãe, gravidez, sexo do bebê, é menino, é menina, Mamãe Gatona, síndrome de down, doença cardíacas

Durante o primeiro trimestre de gravidez se dá, praticamente, toda a formação do fetal. A partir daí, ocorre o crescimento dos órgãos e a obtenção da maturidade que permitirá um adequando funcionamento após o nascimento. Assim, nesta fase da gestação, pode-se avaliar a anatomia fetal, compreendendo que é um estudo bem mais limitado do que se consegue no segundo trimestre de gravidez. Isto porque as estruturas são pequenas, além de se apresentar em estágios evolutivos bem precoces, sendo que se modificarão ao longo da gravidez. O chamado estudo morfológico do primeiro trimestre permite identificar diversas malformações, geralmente aquelas que exibem um caráter mais grosseiro. Nesta época, é passível de se realizar uma análise da formação dos principais sistemas orgânicos.

Dentre a avaliação anatômica do primeiro trimestre, a mensuração da translucência nucal (TN), possui relevante valor. Como demonstrado na figura abaixo, a TN é a presença de uma certa quantidade de líquido que os fetos possuem, entre a pele o tecido adiposo que recobre a coluna. Esta coleção líquida deve ser medida entre 11 e 13 semanas e 6 dias de idade gestacional e regride após 14 semanas de gravidez. O correto é medi-la quando o feto apresentar uma medida do comprimento cabeça-nádegas entre 45 e 84 mm. O valor de normalidade da TN varia de acordo com a idade gestacional, por isso deve ser evitado considerar valor fixo de referência para definir quanto à normalidade ou não do tamanho desta estrutura. Existem tabelas contemplando os valores de normalidade em relação à idade gestacional, bem como softwares, que podem ser utilizados no referenciamento do tamanho da TN. Deve ficar bem entendido que uma TN aumentada não significa diagnóstico de malformação nem de síndromes. Uma medida elevada significa risco aumentado de tais situações, mas jamais diagnóstico de certeza. A medida de TN é um método de rastreamento, jamais pode ser considerado um método diagnóstico. Sabe-se que diversas doenças cursam com o aumento da espessura da TN, mais notadamente a síndrome de Down e doenças cardíacas. Daí, o risco dessas inúmeras doenças elevarem diante de tal achado.

Ultrassonografia, primeiro trimestre, translucência nucal, TN, Nasceu uma Mãe, gravidez, sexo do bebê, é menino, é menina, Mamãe Gatona, síndrome de down, doença cardíacas

Vale a pena um esclarecimento quanto ao conceito de elevação de risco. Quando se diz que um risco para, por exemplo, a presença de síndrome de Down elevou diante de uma medida da TN elevada para a idade gestacional, não significa que há maior chance da criança possuir síndrome de Down, ao invés de nascer saudável. O risco de uma síndrome de Down se eleva com o avançar da idade materna, independente se é primeira gestação ou não. Hipoteticamente, podemos dizer que o risco de síndrome de Down para uma grávida de 30 anos de idade seja de 1/600 nascimentos vivos ao passo que tal risco seja de 1/60 para uma grávida com 40 anos de idade. Pode-se notar que o risco elevou em 10X de 30 para 40 anos de idade, mas a chance da criança da gestante de 40 anos de possuir síndrome de Down é de 1,7% ao passo que de não possuir é de 98,3%.
Dentro do contexto de obtenção de informação em menor tempo possível, surge a ansiedade do casal e sua família quanto a saber qual o sexo da criança já no primeiro trimestre de gravidez. Nesta fase da gestação, durante o período em que se faz a mensuração da TN, já é possível observar a genitália, porém isto não significa que seja possível determinar o sexo. Isto porque, nesta fase da gestação, ambos os sexos possuem a estrutura chamada de tubérculo genital e que é idêntica entre as meninas e os meninos. A única diferença que pode estar presente encontra-se no ângulo entre o tubérculo genital e a pele dorsal lombo-sacra. Como na figura abaixo, os meninos tendem a possuir um ângulo maior que 30° enquanto que as meninas tendem a exibir um ângulo menor que 30°. Este é o motivo pelo qual não se pode determinar com certeza o sexo nesta fase da gravidez. Os trabalhos científicos calculam que este método de determinação tem um percentual de acerto médio de cerca de 85%. Este percentual varia de acordo com a idade gestacional, sendo menor em torno de 11 semanas e se elevando gradualmente até 14 semanas. Esta precaução de não afirmar o sexo nesta fase da gravidez é simplesmente para aguardar o natural processo evolutivo, que, muitas vezes, por ansiedade, almeja-se conhecer o que ainda está sendo formado. A partir de 16 semanas de idade gestacional, obtém-se grande sucesso na determinação do sexo fetal, cientes de que, quanto mais evoluída a gestação, mais confiável é este diagnóstico.


Gui Mazzoni, Padrinhos, Medicina, Obstetricia, Padrinhos Mamãe Sortuda, Eccos, Sonofotografia


sábado, 17 de dezembro de 2016

Adeus gordurinha !!! -16kg após a gravidez

Olá meninas! 

Hoje vim contar neste post, a minha história com a bendita balança! A gravidez veio, além de muitas alegrias, que já contei aqui, me trouxe 11kg e sinceramente eu desencanei, curti minha gravidez e pensar em perder peso era um plano "mais para frente". Eu não sabia o que iria fazer com um bebê (marinheira de primeira viagem), imagina se eu saberia o que fazer com esses lindos quilinhos! Hahaha! SÓ QUE o "mais pra frente" chegou e eu precisava dar um jeito nisso, dentro da minha louca rotina!

Primeiramente, durante a amamentação (amamentei por três meses) eu perdi praticamente os 11kg, cheguei a pesar 71kg no final da gestação, na consulta de egresso, fui de calça jeans me achando (só Deus sabe o quanto rezei para acabar logo a consulta! Vai boba!) com 15 dias eu já vestia minhas calças sem cinta, com 60 dias já tinha voltado ao peso inicial. Tivemos problemas com a amamentação, introduzimos a fórmula e o Ben não quis mais o peito, resumindo: parei de amamentar engordei quase 4kg mais rápido que o Bolt em corrida de 100 metros rasos! E quando engravidei, estava longe da minha melhor forma, já tinha perdido uns quilinhos, mas 60 kg para mim, ainda era muito. (Vamos concordar que tudo é ponto de vista, opinião pessoal de cada um, que gorda, gordinha, fofinha, magra, magrela, tripa seca é um ponto de vista! Importante é cada um ser feliz do jeito que é e quer e não interessa a opinião de ninguém! Combinado?)

Com quase 64kg, eu comecei um "estilo de comer" conhecido como " dieta paleolítica, dieta primal, paleo" que há tempos queria experimentar, já tinha visto ótimos resultados em três primos meus (Lili, Rafa e Quel.) perderam muito peso e estavam conseguindo manter, o Rafa chegou a perder 18 kg, teve uns probleminhas de saúde e fez a melhor escolha por ele mesmo: largou o copo de cerveja, melhorou sua alimentação, calçou o tênis e foi correr! Com essa inspiração eu precisava tomar uma atitude. Li muito, pesquisei muito, achei esse blog aqui que me ajudou muito. Animei, chamei o marido para embarcarmos juntos. Fizemos 30 dias e cada um perdeu mais que 6kg, cortando industrializados, massas, farinha, óleos vegetais, carboidratos pobres, refrigerantes, sucos de caixinha, bebidas alcoólicas, ou seja, passamos a frequentar muito mais o sacolão e o açougue do que o supermercado, isso é SAÚDE, acima de tudo! Fora a economia, é aterrorizante o quanto a gente gasta com coisas que nos fazem mal. Nossa alimentação era basicamente, carnes, peixes, frango, ovos, legumes ( nada que crescia debaixo da terra), verduras, queijos amarelos e algumas frutas. Tudo era preparado na manteiga e na banha animal. Preciso falar  para vocês que eu emagreci comendo BACON! Isso mesmo! A gordura animal virou nossa amiga e hoje ela frequenta nossa mesa sem nenhum preconceito ou medo.

Foi um sucesso! Só que decidi fazer algo para me superar, chegar a uma meta que não tinha alcançado antes, queria mais! Queria mais 30 dias na linha, sem escapadas! Sinceramente, não são 30 dias fáceis, a primeira semana é terrível, mas vale a pena pelo bem estar conquistado. Chamei as amigas, uma é minha nutri da vida, que mora no meu coração, garota fitness, linda e maravilhosa, Milla Gandra! Que sempre tentou me colocar na linha enquanto eu buscava feijoada toda sexta feira! Hahaha! E a outra, minha irmã de alma e parceira, linda e maravilhosa e mamãe sortuda, Thaísa! Que já estava numa pegada fitness. Elas toparam de imediato e criamos o desafio #30diasparaocropped no Instagram. O intuito era motivar as pessoas a mudarem seus hábito,s alimentares e inserir atividades físicas diárias, cada qual no seu objetivo. Eu me senti tão bem com essa nova forma de pensar em alimentação, que queria isso para todo mundo, não queria só para mim. Mas precisava de um incentivo maior para alcançar minhas metas, era desafiador usar um cropped (aquelas blusinhas curtinhas) depois de uma gestação, não é não?

E lá se foram outros 30 dias, esses mais difíceis para perder o peso que faltava, queria somar 10kg perdidos do peso inicial da dieta, o organismo já estava acostumado a nova alimentação, inseri exercícios fáceis dentro da minha rotina, correr, pular corda, polichinelo, treinos intervalados em casa e na rua. E deu super certo! Estou chegando agora na minha meta final e estou feliz da vida por conseguir me superar! Estou chegando aos 54kg, com um pique que eu não tinha há muito tempo! Perdi quase meu guarda roupa inteiro! Poucas coisas me servem, para falar a verdade, nem achava que voltaria a esse peso um dia, já tinha passado as peças apertadas todas para frente!

Se eu consegui, uma chocólatra, doida com porcarias, que ama cozinhar, pensa em comida o tempo inteiro, que trabalha fora, com filho de oito meses, marido e casa para cuidar, vocês também conseguem! Só precisa ser maior do que aquele tanto de desculpa que a gente inventa para não sair da nossa zona de conforto.

Dizer que serei 100% paleo, vai ser pura mentira, mas que dá pra ser uns 70%, dá sim, nós estamos super adaptados lá em casa, acho difícil voltar aos velhos hábitos, porque agora a consciência pesa!

low carb

terça-feira, 18 de outubro de 2016

Relato de uma gravidez com trombofilia

Já que o outubro rosa é voltado para a saúde da mulher, vamos falar de trombofilia? Já ouviu falar? Eu não, até eu descobrir ser portadora dessa condição. Sabia que ela pode ser causa de abortos recorrentes sem explicação? Pode haver descolamento prematuro de placenta? Que mulheres portadoras não podem tomar anticoncepcional que contenha estrógeno na sua formulação? Por exemplo, eu, sempre tomei a medicação errada, mesmo sendo com indicação médica.

trombofilia
Nós três ( quinto mês )

terça-feira, 24 de novembro de 2015

Eu não gosto de estar grávida!

Estava eu no meu horário de almoço e me deparo com a seguinte noticia: 



Vamos ao que ela disse: "Eu vou falar a verdade: para mim, a gravidez é a pior experiência da minha vida. Eu não desfruto deste momento e não entendo as pessoas que gostam. Talvez seja o inchaço, as dores nas costas ou apenas o pensamento de ver o seu corpo expandindo e nada ficando bom. Eu sempre sinto que não estou em minha própria pele. As pessoas simplesmente não dizem tudo o que acontece durante a gravidez ou depois. Você sabe que basicamente tem que usar uma fralda por dois meses depois do nascimento?! Ninguém me disse! Realmente, tudo vale a pena quando você tem o seu precioso bebê! Assim, toda a minha queixa, é 100% compensada"

terça-feira, 29 de setembro de 2015

OPS! Veio um neném! E agora?

Larissa estudou comigo no colégio, e desde sempre, como ela mesmo diz, nos tornamos irmãs de alma, não por menos escolhi ela para ser madrinha de consagração do meu Theo! Ela me mandou um "Whats" no meio de tantos outros dizendo que sua menstruação estava atrasada... Poucos dias depois me manda outro, me perguntando primeiro se eu estava sentada... ao dizer que sim, ela me solta: VOCÊ VAI SER TITIA!

Eu também me tornei mãe sem planejar, e quando isso aconteceu, a primeira coisa que fiz foi correr para a internet e dar um google: "como contar aos pais", "gravidez sem planejar", "estou grávida, e agora?"... e foi assim que eu comecei a me interessar em ler tudo, absolutamente tudo sobre gravidez (planejada ou não, rss...). Perguntei a ela se não queria relatar para nós como foi a descoberta e como está se sentindo... e aqui está:

"Para gravidinhas não planejadas, mas bebês super amados! Um milhão de sentimentos, resumidos em duas listrinhas vermelhas! II

quarta-feira, 23 de setembro de 2015

Anunciando a terceira gravidez!!!!!


Em uma época em que anunciar a gravidez do segundo filho pode ser motivo de rebuliço e questionamentos se foi planejado ou não, imagina para quem encomenda o terceiro? hihihi!


Um casal muiiiiiiiiiiiiiito divertido, Luiza Diener e Hilan Diener, autores do blog Potencial Gestante anunciaram de uma maneira bem humorada que lá vem o terceiro filho!!!! Eles merecem o oscar de papais mais criativos do ano!







Heloisa Drumond
contato@mamaesortuda.com

terça-feira, 15 de setembro de 2015

quarta-feira, 29 de abril de 2015

Sorteio: Ensaio Gestante Teresa Vilela


Tive o prazer de conhecer a Teresa Vilela! Ela vive a fotografia desde sempre em sua vida e tem uma forma poética de enxergar o mundo pelas lentes! A forma como ela fotografa é muito inspiradora, romântica e linda! Nós amamos o trabalho dela!


A convidamos para contar um pouco do trabalho dela!

" Quando era criança, minha mãe era fotógrafa.

Lembro-me de haver um quarto em minha casa, onde ela recebia pessoas para fotografar. O que mais me fascinava era vê-la com um estojo de tintas em bisnaguinhas, sobre a mesa, e um cotonete, colorindo suavemente as fotografias em preto e branco. O efeito era lindo! Suave e natural! Temos até hoje algumas delas e estão ainda maravilhosas!

Não sei se ela me influenciou, o certo é que , durante um enorme caminho profissional dedicado às artes plásticas, à música e à dança, sempre reservei um lugarzinho especial para a fotografia, antes amadora e familiar..., agora profissional.

Minha experiência no campo das artes me ajuda a aprofundar o meu olhar, tentando ver nas coisas mais simples a arte e o encanto que se encontra oculta nelas.

Como diz "meu" poeta Rubem Alves: “A experiência poética não é ver as coisas grandiosas que minguem vê. É ver o absolutamente banal que está diante do nariz, sob uma luz diferente”. Quando isso acontece, cada objeto cotidiano..., cada pessoa..., cada paisagem.., se transforma na entrada de um “mundo encantado". Surpreendo-me, sempre que transfiro as minhas fotos da câmera para o computador, pois vejo nelas mais do que fotografei, algo além do que estava lá, uma alma que se imprime nelas e que me faz sentir emoção. 

Sou movida à “encantamento” e o encontro sempre nas gestantes, nos bebês, nas crianças, nas mulheres e nas famílias..., minha opção na fotografia.

Agradeço a companhia da minha câmera, carinhosamente chamada de Bel, por me possibilitar eternizar o presente.

"Fotografar é colocar na mesma mira a cabeça, o olho e o coração" (Henri Cartier Bresson)

Escolhi fotografar com o coração!"











A Teresa Vilela vai presentear uma Mamãe Sortuda com um ensaio de gestante! Oba!
Como vai funcionar?

Será um sorteio especial, para as mães de Belo Horizonte e região, que seguirá as seguintes regras:

Curta as fanpages: Mamãe Sortuda e Teresa Vilela
Marque três amigas gestantes na publicação oficial no facebook da Mamãe Sortuda!
Cadastre-se no Sortei.me: Aqui
O sorteio será dia: 31/05/2015
 A data do ensaio deve ser combinada diretamente com a Teresa e estará sujeita à disponibilidade de agenda.
 O prêmio deverá ser utilizado até dia 31/01/2016.
 As fotos serão publicadas no blog!

Espero que tenham gostado deste presente lindo!

Um beijo,


Heloisa Drumond

terça-feira, 28 de abril de 2015

Meu primeiro dia das mães

Pela primeira vez lá estava eu esperando o meu presente de dia das mães. Esperar era minha tarefa desde que descobri a gravidez, mas aquele dia das mães seria lindamente especial, afinal a Cecília ainda estava na minha barriga, seria meu melhor presente do ano,e o meu marido, modéstia parte,  é "O MARIDO", por isso sabia que viria alguma coisa bem linda por aí.



Maio de 2014

quarta-feira, 22 de abril de 2015

Enjoo: O Monstro da Gravidez - Parte 1


Oi mãezinhas!

A primeira coisa que eu gostaria de fazer hoje é agradecer a todas as mamães que participaram da pesquisa de emergência que lancei lá no nosso facebook. Muuuuuuito obrigada!!! Vocês me ajudaram muito a escrever o texto de hoje, e quase morri de rir de alguns comentários! É rir pra não chorar, né gente, porque o enjoo na gravidez é desesperador!!! 




A ideia principal do post de hoje não é fazer uma lista do que a grávida deve ou não fazer, do que deve ou não deve comer para evitar os enjoos. Se você, que está lendo este texto, está tendo ou já teve enjoos na gravidez, certamente já revirou o Dr. Google procurando qualquer dica milagrosa que pudesse fazer você comer qualquer coisa sem virar uma máquina de vômito em poucos segundos. Infelizmente, lindinhas, não existe NENHUMA regra para o enjoo que nos acomete nesses primeiros meses. O que eu mais quero hoje é aquietar o coraçãozinho de quem sofre com esse sintoma e que sente que nada vai adiantar para melhorar o quadro. É dar aquele colinho que nenhuma pesquisa do Google conseguiu dar às mamães até agora (e que é tão necessário nesse momento tão sensível). O que eu quero é promover uma troca de experiências, sem impor regras a algo que é absolutamente individual e variável, e assim fazer com que cada futura mamãe, cansada dessa náusea, possa testar e descobrir o que funciona ou não com ela.

Para começar, meninas, é importante saber que quem tem enjoo na gravidez não está sozinha: cerca de 85% das grávidas sofre com esse problema nos primeiros meses de gestação! Quem, portanto, não teve nada de enjoo, pode colocar o joelhinho no chão e agradecer infinitamente por fazer parte dos 15% de mamães (muito mais que sortudas) que puderam curtir os primeiros meses de pança sem passar a maior parte do tempo no banheiro. É importante lembrar, no entanto, que isso não varia de mulher para mulher, mas de gravidez para gravidez. Uma mesma mulher pode ter uma gravidez maravilhosa sem nenhum sintoma e outra gravidez típica, com muito sono, seios doloridos e inchados, desejos inexplicáveis, inchaço nos pés e, porque não, um enjoo daqueeeeeles.

Para conseguir aceitar e conviver com o enjoo da gravidez (que é muito diferente e mais forte do que qualquer indisposição que alguém pode ter ao longo da vida) é preciso saber por que ele é desencadeado. Conhecer seu corpo é o primeiro passo para procurar alternativas que melhorem seu estado. O enjoo típico do primeiro trimestre de gestação é gerado principalmente pelo olfato mais apurado e pela maior acidez no estômago.

O olfato mais apurado faz com que a gestante sinta com muito mais intensidade aqueles cheiros que normalmente são comuns para ela. De repente ela toma nojo do cheiro de tempero refogado, de sardinha, de café ou até do cheiro que a grama exala quando é cortada (beijos grama da UFMG). De repente você não consegue mais usar desodorante perfumado e toma ódio do perfume que usa há anos, ou pior, não suporta mais o cheiro do seu parceiro! Essa reação é muito comum! Mas o que dá pra fazer é o seguinte:

· Passe longe dos lugares que tenham cheiros fortes e que você julgue desagradáveis (eu parei de ir para a sala de lanche no trabalho e passei a usar outra entrada da faculdade para evitar o cheiro do café, que era quase o meu “botão de vômito”);

· O lado bom é que, se por um lado você passa a odiar certos aromas, outros ficam incrivelmente bons! Se descobrir algum cheirinho que diminua seu enjôo, vá fundo (eu andava com um limão na bolsa e ficava cheirando a casca)!

Já em relação à maior sensibilidade estomacal... não sei se há regra. Meu médico dizia para evitar alimentos que aumentassem a acidez do estômago, o que faz sentido, já que a azia também gera náuseas. O que aconteceu comigo, no entanto, é que muitos desses alimentos me faziam bem! O que eu acho que vale, então, é respeitar seu instinto: sentiu que aquele alimento vai te fazer bem? Coma! Pode ser uma fruta ou um hambúrguer. O seu corpo é que vai dizer o que vai ou não fazer bem a ele. Coma o que você puder. É mais comum que alimentos leves ataquem menos seu estômago, mas conheci uma grávida que só melhorava com Coca-Cola! Não exagere nos alimentos ricos em gorduras e açúcares, mas não passe fome (e nem vontade)! 

Além das causas geradas pelas alterações no nosso organismo, muita gente espalha informações controversas por aí. Enjoo demais é sinal de menino, é sinal de que tem mais de um bebê, é sinal de que a gravidez não vai bem. Não se guie por isso. Pode ser que você esteja grávida de menina, que não seja uma gravidez múltipla, que sua gravidez vá muito bem, obrigada. O que vale, na verdade, é escutar seu corpo e, se sentir que os enjoos estão muito violentos, procurar seu médico. Ele e somente ele vai poder indicar o tratamento mais adequado, de um repouso a um medicamento. Existem síndromes relacionadas à gravidez, como a hiperêmese gravídica (sofrida pela linda Kate Middleton nas duas gestações) que precisam ser tratadas para não gerar desidratação ou anemia.

Fica aqui a MINHA experiência:

Tive enjoos a partir da sexta semana de gestação (uma semana depois da descoberta). Meus enjoos eram mais intensos durante o dia, só à noite é que conseguia comer melhor. Não suportava cheiro de café e de terra molhada. Já tive que pegar 4 ônibus para chegar à faculdade (tinha que descer no meio do caminho para vomitar). Chorava todo santo dia quando acordava, que era o momento mais intenso dos enjôos (o enjoo matinal é o mais comum pelo fato de o estômago estar vazio, então fica a dica de comer de 3 em 3 horas e comer bem antes de dormir). Cheguei a ficar com o rosto cheio de veias estouradas por conta dos acessos de vômito. Perdi 3 quilos no primeiro mês (e recuperei tudo e mais um pouco no quarto mês). Gostava (e passava bem) com os alimentos mais aleatórios: banana, hambúrguer, limonada gelada e macarrão do Bolão (o rei do espaguete).


De tudo o que eu queria dizer, o mais importante é: não se desesperem, mãezinhas. Essa condição é dura, cansa a gente, mas passa. Depois da 14ª semana é raro ter enjoo. E a partir daí vocês vão conseguir curtir a barriga linda, o bebezinho que vai chegar e todo o mimo que a gente ganha quando está grávida. Vocês vão ver: em pouco tempo estarão morrendo de rir dessa situação (que seria cômica se não fosse trágica). O que resta a fazer, na maior parte das vezes, é esperar (verbo de comando de qualquer gestante). Se precisarem desabafar, contem comigo. Meu e-mail, como sempre, é o giulia.lage@gmail.com

A pesquisa continua: O que comiam? O que não suportavam? Você pode responder a essas perguntas lá na nossa página do Facebook ou aqui mesmo, nos comentários. Quem quiser contar sua experiência com os enjoos também pode deixar seu depoimento aqui ou mandar um e-mail pra gente pelo contato@mamaesortuda.com . Lembrem-se que são vocês também as autoras desse blog!

Um Beijinho,
G.


Giulia Lage