Mostrando postagens com marcador amor de mãe. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador amor de mãe. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 12 de dezembro de 2017

Os Filhos Crescem!


Parece tão óbvio dizer que os filhos crescem, mas por um bom tempo este fato não é tão óbvio na nossa mente de mãe. Ficamos acostumadas com seres pequenos e dependentes.

Quando estão em nosso ventre, impera um verbo possessivo em nossa cabeça. Estão ali!  Basta cuidar de nós mesmas e estamos cuidando deles. São tão nossos! E parece que será assim para o resto da vida. 

Nascem e nos tornamos a juíza. Batemos o martelo para as decisões importantes, porque, afinal, são tão dependentes de nós. Olhamos para aquele pequeno tamanho de necessidade, de desconhecimento do mundo, de inexperiência, e pensamos que obviamente será assim a vida inteira, com maior ou menor grau, mas continuará assim, tão dependente da gente. 


sexta-feira, 6 de maio de 2016

Antes e Depois de Ser Mãe

Dia de mãe é todo dia, mas já que temos uma data no calendário para nós... Vamos comemorar!

Ser mãe é viver uma aventura sem fim e é tão difícil explicar e entender a maternidade enquanto não vivenciamos ela. 

Quando moramos com nossos parentes nosso mundo está voltado para nós mesmos, estamos preocupados apenas com aquilo que nos satisfaz ou não. Quando nos apaixonamos nos voltamos para a pessoa amada, fazemos tudo para agradar e manter um relacionamento duradouro. Já quando temos filhos, o resto do mundo acaba e passamos a fazer tudo por eles, em função deles, com eles ou longe deles, mas pensando neles. 


quinta-feira, 8 de outubro de 2015

Doce Infância

Outubro está aí, correndo entre nossas poucas horas, trançando entre nossas pernas na tentativa de nos derrubar, não para machucar, mas para nos fazer rir e brincar, no chão, na chuva, no mar. Como quando crianças.

Sim! Mês, semana, dia das crianças.

Gosto da época sim! 

Não é pela data em si, nem pela lógica capitalista que nos incentiva a comprar presentes e mais presentes para os pequenos, mas por termos um tempinho do nosso ano para lembrarmos de um momento da vida do ser humano carregado de pureza, inocência, imaginação e amor: a infância.