Mostrando postagens com marcador Camila Caldas. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Camila Caldas. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 5 de novembro de 2020

Se conecte com a sua natureza cíclica!

Assim como a “menstruação” é inevitável, as energias e/ou emoções associadas ao nosso ciclo também são. E são símbolos da natureza da mulher. Esse aspecto cíclico não é valorizado socialmente, e por questões internas ou externas muitas vezes tentamos ser constantes para atender as expectativas, sejam profissionais, emocionais ou de relacionamento.  

Ciclo Menstrual


Controlar esse fluxo, essa natureza essencial feminina é como tentar parar um rio muito caudaloso: impossível! Suas águas vão encontrar algum lugar para seguir fluindo e aí é quando aparecem as dores, as tensões pré-mentruais, a irritabilidade, entre outros sintomas que mostram que o rio esta encontrando outras formas para seguir o seu caminho, pois é um fluxo tão poderoso que não podemos estanca-lo. Da mesma forma quanto mais nos conectamos com a nossa natureza essencial, aceitando que somos cíclicas e que estamos em constante movimento, podemos aproveitar o que cada fase tem de melhor e “dançar” com cada uma delas.

A Medicina Tradicional Chinesa e outros saberes ancestrais, se baseiam muito na observação dos ciclos naturais: estações do ano, fases da Lua, alimentos disponíveis, posição dos astros. E isso se reflete também no corpo feminino! Nas lendas antigas e nas mitologias, as energias que a mulher experimenta durante o seu ciclo menstrual também estão descritas em quatro fases, um reflexo das fases da lua. Miranda Gray, terapeuta, artista e autora inglesa através do seu livro “Lua Vermelha” reúne essas informações associando cada uma dessas fases a um arquétipo: Donzela, Mãe, Feiticeira e Anciã.  Arquétipos, neste caso, são imagens e energias comuns a todas as mulheres independentemente da cultura a qual estamos inseridas.

Fases da lua e estação do ano


Existe uma semelhança de cada fase do ciclo menstrual com a energia de uma estação do ano e com as fases da Lua.
Nosso ciclo menstrual natural consiste em 4 fases (assim como o ciclo da Lua e as estações do ano). Estas caracterizam-se por diferentes processos que nos ajudam a interpretar e registrar os sinais do nosso corpo.

Observar o nosso ciclo nos permite identificar padrões, ver o que podemos/queremos mudar ou manter e permite nos acolher com respeito, sem culpas e auto julgamentos.
Acho lindo demais saber que temos nossas Luas internas! Temos primaveras, verões, outonos e invernos dentro de nós!
Acompanhar a relação entre o nosso corpo e a natureza, e aceitar que somos cíclicas é um grande exercício de autoconhecimento.

Geralmente só “percebemos” nosso ciclo menstrual quando sentimos a TPM ou quando estamos menstruadas, mas isso é apenas uma parte dele. A verdade é que o ciclo é contado do 1º dia da menstruação até o primeiro dia da próxima menstruação, ou seja, o ciclo dura o tempo todo e estamos sempre sendo influenciadas por suas diferentes fases.
Para começar, é importante sabermos que nosso ciclo pode ser dividido em 4 fases principais:
Fase 1: Menstruação (sangramento)
Fase 2:Folicular (pré ovulatória)
Fase 3: Ovulação
Fase 4: Lútea (pré menstrual)






Cada fase do ciclo menstrual faz analogia com uma fase da Lua e assim surgiram os termos lua interna e lua externa.
A lua interna se refere à fase do ciclo menstrual que você está vivenciando e a lua externa se refere à lua que está no céu naquele momento. Em alguns ciclos elas coincidem, em outros não. E está tudo bem!
Muitas mulheres, ao lerem que a lua nova se refere à menstruação acreditam que deveriam menstruar nela. Nada disso!
Nem sempre nosso ciclo menstrual vai se encaixar exatamente com a fase lunar correspondente.
Nosso ciclo transita entre as fases da Lua. Somos cheias, minguantes, novas e crescentes. Somos cíclicas em nossa luz e nossa sombra. Somos energia feminina em constante movimento.
Em cada uma das fases do nosso ciclo temos diferentes qualidades, habilidades, energias e sensações em nosso corpo, mente e emoções, que mudam nossa percepção e expressão. Seria como se nos comportássemos e nos expressássemos como a Lua e as estações do ano, manifestando essa energia cíclica da natureza em nós.
Não há necessidade de se encaixar em nenhum padrão. Apenas observe e utilize essas informações como mais uma forma de tornar consciente e conhecer seu ciclo e seus ritmos.
Quando vibramos com nossa energia cíclica, florescemos e realizamos nossa plena potência, nos tornamos mulheres conscientes, empoderadas de si mesmas, revelando e expressando nossa essência sagrada!

A lua nova e a Anciã representam a fase da menstruação, onde a mulher retira as energias físicas do mundo terrenal levando sua consciência ao mundo espiritual. Essa etapa traz a energia do inverno, nos pede para descansar, rezar, meditar e refletir. É uma fase de morte-renascimento onde as energias criativas que se gestam na mente podem gerar tanto uma nova vida como filhas-idéias, já que é nesse período onde começa um novo ciclo. Sugestão: Vá pra cama um pouco mais cedo esta semana e desfrute de um descanso extra.

A lua crescente representa a fase que vai desde o fim do fluxo menstrual até o começo da ovulação (fase pré-ovulatória). As energias dessa fase são dinâmicas, inspiradoras, de iniciativa, e se assemelham a uma jovem Donzela e à primaveraUma fase que nos pede ações independentes e a realização de tarefas. Sugestão: Faça uma lista de todas as coisas que você quer fazer esta semana e mãos á obra, a criar novos projetos.

Já a lua cheia se relaciona com a Mãe e representa o período da ovulação (fase ovulatória), as energias aqui se assemelham com a do verão e com a da maternidade pois contam com a energia de criar, sustentar e fortalecer. A criatividade interna da mãe surge para criar uma nova vida. Esta fase nos pede para ser amorosas, aproximar-nos das pessoas e expressar-lhes nossa gratidão. Sugestão: alimenta projetos e ideias que já existem.

A diminuição da luz durante a fase minguante reflete a diminuição da energia física da ovulação à menstruação (fase pré-menstrual), assim como aumento da criatividade, da magia e a palavra escolhida para este aspecto é a da Feiticeira, a qual tem o poder tanto para criar como para destruir. Nesta fase se liberam as energias que podiam ter criado uma nova vida, um filho, só que desta vez se desenvolvem no exterior pedindo-nos uma criatividade e espiritualidade independentes. Relaciona-se com a energia do outono. Sugestão: Deixa que o seu coração, o seu útero e a sua criatividade encontrem as imagens e palavras para expressar-se. TPM - tempo para mim!

Fonte: Mandala Lunar


Se comparamos o ciclo lunar com o feminino, as fases crescente e minguante são momentos de mudança e equivalem as etapas da Donzela e da Feiticeira. Já a lua cheia e a lua nova são períodos de equilíbrio, assim como as fases da Mãe e da Anciã.

Não é necessário que o ciclo pessoal acompanhe o ciclo lunar, o importante é estar em harmonia com o seu próprio ciclo.  Os limites entre uma fase e outra não são rígidos (uma semana num ciclo de 28 dias), as energias passam livremente de uma para outra numa fusão dinâmica. Pouco a pouco e com algum tempo de observação perceberemos como uma fase vai diminuindo sua força para iniciar à outra.

O mais importante é que cada uma perceba no seu ciclo, individualmente, como estas energias estão presentes, como nos influenciam e o tempo que cada uma delas nos acompanha. Muitas vezes uma só atividade em harmonia com cada uma das fases já nos faz sentir bem e nos alinhamos com nossa natureza!




Parece algo complexo e difícil?! Na prática é muito mais fácil de compreender estas relações já que fazem parte da nossa natureza essencial feminina. Uma sugestão para que nos conectemos mais e mais com essa natureza é anotar diariamente, o estado emocional, o nível de criatividade, ou de energia, o dia do ciclo e a fase da lua. Este recurso é também chamado de Diagrama Lunar. Essa observação diária ajuda a despertar nossa percepção entre o útero e a mente consciente, criando um vínculo positivo com o ciclo menstrual.

Quando reconhecemos e aceitamos nossa ciclicidade e aprendemos a utilizar os recursos pessoais que estão disponíveis diariamente, expressamos mais e mais o nosso Ser no mundo, nos sentimos em conexão com nós mesmas e com as pessoas ao nosso redor.

Se desejar entender mais sobre as fases da mulher, podem entrar em contato conosco e nos acompanhe através do @calima.souessencial. Além de informações, compartilhamos muitas dicas e ferramentas para nos auxiliar nessa jornada!

Abraços





Referência:
Livro: Lua Vermelha - Miranda Grey
www.mandalalunar.com.br
www.tendavermelha.com.br

quarta-feira, 1 de julho de 2020

Aromaterapia e Dança Materna: grandes aliadas no puerpério!

O puerpério, também conhecido como resguardo ou quarentena, diz respeito a fase pós parto em que a mulher vive modificações físicas e psicológicas No entanto, a situação desse período delicado da maternidade se agrava bastante no cenário de pandemia. A sensação de solidão, muito comum neste momento, deixou de ser um conflito interno e passou a ser físico na quarentena. A rede de apoio presencial já não é mais a mesma, o que está impactando significativamente na experiência das mulheres.

Todos estamos vivendo em meio a muitas dúvidas e questionamentos. Porém, as mamães com bebês em casa, principalmente as de primeira viagem, têm esses sentimentos potencializados devido às incertezas comuns que cercam o universo da maternidade, mudanças hormonais deste período e alterações na rotina também. Com emoções à flor da pele, além dos cuidados com o bebê, é importante e muito necessário o autocuidado. Como é viver tudo isso quando o mundo está passando por uma pandemia? 

puerperio aromaterapia
Para mais informações acesse o Instagram: @calima.souessencial

Trouxe algumas informações sobre duas aliadas que podem contribuir muito para a saúde física e emocional da mãe, do bebê e de toda família: a Aromaterapia e a Dança Materna. 

A aromaterapia é uma das formas naturais que a mãe tem para abrandar os sintomas mais comuns deste período, como a ansiedade, o medo, o estresse, a irritabilidade, a insônia, a dor e a depressão. Os óleos essenciais são produtos extraídos de diversas partes das plantas por diferentes métodos de extração.Possuem uma composição química própria e suas propriedades terapêuticas atuam através do sistema olfativo (inalação, estimulando o sistema nervoso central) e por uso tópico (penetrando pela pele e alcançando a corrente sanguínea). Para que os óleos tragam benefícios é necessária sua utilização de forma correta e segura, seguindo orientações de Aromaterapeutas e se atendendo para algumas precauções: o óleo deve ser PURO e de boa procedência, e quando aplicado na pele, deve ser diluído adequadamente de acordo com a indicação.

aromaterapia pos parto
Para mais informações acesse o Instagram: @calima.souessencial
As principais formas de uso são variadas, como massagem, banho, inalação, compressas, escalda-pés, difusão no ambiente, de acordo com o objetivo e desconforto sentido. Podendo ser utilizado, ainda, em associação com a Dança Materna, que propicia momentos de cumplicidade muito preciosos na construção de um vínculo sadio e contribui para a saúde e o equilíbrio espiritual, emocional e físico da mãe e do bebê. Além de propiciar a vivência especial de dançar em dupla (ou em trio, já que o pai é sempre bem vindo), possibilita à mulher a otimização da redução do peso, reeducação corporal (que refletirá positivamente no modo de carregar e amamentar o bebê) e incentiva o mútuo-conhecimento entre mãe e filho. Para o bebê traz o conforto do balanço na dança, proximidade com a mãe e relaxamento. As mães têm relatado redução na incidência de cólicas e melhora no sono dos bebês. A Dança Materna é realizada usando algum tipo de carregador (sling, wrap, etc), com bebês de colo até engatinhantes.

pos parto puerperio
Professora Elisa França - Dança Materna @movimento_com_amor

Durante a pandemia, as aulas estão acontecendo online, trazendo amor em movimento para dentro de casa! As professoras da Dança Materna, em rede nacional e na Argentina, estão preparando muitas aulas lindas! Aqui em Belo Horizonte, temos a professora Elisa França do @movimento_com_amor , que está acolhendo e instruindo as mamães neste período tão desafiante!

Dança Materna - @movimento_com_amor

Deixarei aqui algumas dicas de óleos essenciais e receitinhas que são indicados para esse momento. Lembrando que o acompanhamento de um profissional qualificado é muito importante para a utilização segura e eficaz! Alguns óleos essenciais são contraindicados no pós-parto. Minhas irmãs e eu, do @calima.souessencial estamos à disposição para orientação e indicação dos melhores óleos para vocês!

  • Lavanda - calmante, relaxante, ajuda a promover alívio de dores e cuidados com a pele
  • Tangerina - óleo da coragem e da alegria, purificante e revigorante
  • Grapefruit - energizante e revigorante, indicado para compulsão alimentar
  • Limão siciliano - óleo do otimismo e da purificação, promove uma atmosfera positiva
  • Laranja-Lima (também conhecido como Laranja-doce) -  suporte para ansiedade, autoconfiança
  • Bergamota - suporte para depressão, ansiedade e síndrome do pânico
  • Olíbano - propriedades relaxantes e embelezadoras
  • Erva-doce - calmante e revigorante, auxilia na digestão e estimula produção de leite
  • Sálvia-esclareia - atua nas mudanças hormonais, promovendo equilíbrio e bem estar

aromaterapia pos parto
Para mais informações acesse o Instagram: @calima.souessencial

SINERGIAS 

Depressão por parto:
Sálvia esclareia e lavanda 
Difundir no ar (3 gotas de cada no difusor) ou inalar diretamente do vidro ou aplicar topicamente algumas gotas nas têmporas e na nuca de 2 a 3 vezes por dia.

Insônia 
3 gotas de lavanda
3 gotas de tangerina ou laranja Lima
3 gotas de sálvia esclareia 
30ml de óleo vegetal puro fracionado- amêndoas, girassol, semente de uva
Massagear  com a sinergia a região dos ombros, braços, nuca e tórax antes de deitar! 
Ao invés de misturar no óleo vegetal e usar topicamente, também pode usar só os óleos essenciais no difusor de.ambiente na mesma proporção. 
Mistura de aroma floral, cítrico e levemente adocicado. Relaxante e facilitadora do sono.


Estresse no ambiente
Spray de ambiente 
100 ml de água destilada
10ml de álcool de cereais
8 gotas de tangerina ou laranja ou bergamota
6 Gotas de lavanda
4 gotas de erva doce
Misture tudo no frasco de vidro âmbar com borrifador. Sempre agite antes de borrifar no ambiente.
No difusor use 3 gotas de cada óleo

Spray proteção 
100 ml de água destilada
10 ml de álcool de cereais
10 gotas de olíbano 
20 de tangerina
Misture tudo no frasco de vidro âmbar com borrifador. Sempre agite antes de borrifar no ambiente.
No difusor use 3 gotas de cada óleo

Óleo pós banho antidepressivo
100 ml de óleo vegetal de amêndoas doce
12 gotas de óleo essencial de bergamota
20 gotas de óleo essencial de lavanda
4 gotas de óleo essencial de olíbano
Coloque os ingredientes em um frasco de vidro âmbar com etiqueta de identificação. Massageie o corpo molhado após o banho. Não expor ao sol após o uso,

salvia esclareia pos parto
Para mais informações acesse o Instagram: @calima.souessencial

NO DIFUSOR DE AMBIENTE

Melhora da ansiedade
2 gotas de bergamota
2 gotas de salvia esclareia
1 gota de olibano  ou

      
3 gotas de lavanda
2 gotas de bergamota ou

3 gota de lavanda
2 gotas de tangerina
1 gota de olíbano

Melhora da autoconfiança
3 gotas laranja doce
4 gotas de bergamota ou

3 gotas de grapefruit
2 gotas de limão siciliano

pos parto puerperio aromaterapia
Para mais informações acesse o Instagram: @calima.souessencial

Os óleos essenciais também são indicados para vários cuidados com o bebê. A utilização correta deve ser orientada e acompanhada, para que seja eficaz e segura! 

"A delicadeza é perceber que o bebê precisa de cuidados, claro. Mas é a mãe que precisa de muita atenção, depois de tanta emoção. E não só atenção, é mais, muito mais. É carinho, abraço apertado, um olhar com cuidado." - Mãe Fora da Caixa

Um abraço perfumado!






quinta-feira, 16 de abril de 2020

"Gelatina Colorida" - Uma receitinha cheia de memórias afetivas

Quem não tem ao menos uma receita que ama desde pequeno? Da avó, avô, tia-avó, da mãe, do pai...
A verdade é que existem alguns sabores que são muito marcantes na nossa infância.
Tenho aproveitado esse período de quarentena para relembrar essas receitinhas que, além de fáceis, são também muito afetivas. Contar a história de cada uma delas e o seu significado para as meninas tem rendido momentos deliciosos em casa!
Tenho uma boa lista na memória: Bolinho de Chuva, Pudim, Rabanada, "Pizza" de Sardinha, Lasanha de Frango, Biscoito Frito, Biscoito de Queijo, Frango Xadrez...
E resolvi compartilhar com vocês uma receitinha super fácil, que as crianças adoram e fez parte da minha infância todinha: O Mosaico de Gelatina ou como a gente gostava de chamar, Gelatina Colorida.
Minha avó materna e minha mãe sempre faziam pra gente e toda vez que eu como ou vejo essa sobremesa, lembro delas e de dias maravilhosos!
É possível preparar a sobremesa usando gelatina de frutas frescas, com certeza mais saudáveis e saborosas, mas aqui vai a receita tradicional, com gelatinas coloridérrimas de caixinha ou saquinho, que têm mesmo sabores e cores artificiais, mas fazem parte da vida de todo mundo. De vez em quando pode.
O preparo é simples, mas entre começar a fazer e servir há um tempo de umas 4 horas de geladeira pra firmar, não tem jeito.



mosaico de gelatina
Fonte: Na Cozinha da Helo



Ingredientes:
  • 5 sabores com cores diferentes de gelatina (eu costumo usar limão, morango, uva, abacaxi e cereja ou tangerina)
  • 1 lata de leite condensado
  • 1 lata de creme de leite
  • 1 envelope de gelatina em pó sem sabor
Preparo

Gelatina - Prepare cada gelatina separadamente, conforme instrução na embalagem. Utilize um pouco menos de água para ficar mais firme. Coloque cada uma das 5 gelatinas em potes separados e leve à geladeira por umas 2h para firmar. Retire as gelatinas prontas da geladeira e corte em cubos médios. Coloque todos os cubos coloridos numa tigela média, reserve.

Creme - Coloque a gelatina sem sabor numa tigelinha e regue com 1/4 de xícara (chá) de água gelada e deixe hidratar por 2 min. Ferva 1/2 xícara (chá) de água e coloque na tigelinha da gelatina hidratada, mexendo até dissolver. Passe a gelatina para uma tigela, hunte o leite condensado e o creme de leite e mexa até obter um creme liso.
Despeje esse creme na tigela das gelatinas coloridas picadas e misture com delicadeza.
Transfira para o vasilhame que você vai utilizar para servir ou para potes individuais.
Leve à geladeira por mais 2h para firmar.
Sirva bem gelada!

OBS: O creme pode ser feito sem gelatina incolor, usando apenas leite condensado e creme de leite, porém ficara com uma consistência mais mole. Se preferir, ao invés de usar a gelatina incolor, pode usar outra gelatina colorida, geralmente uso a de abacaxi, assim ele fica amarelo clarinho.



Minha avó e minha mãe serviam a gelatina em uma travessa como essa da foto e eu costumo fazer como elas, mas podemos colocar pra gelar em potinhos individuais também ou em uma forma diferente, desenformando depois. Fica lindo!


Poucas sobremesas são tão caseiras e divertidas como o mosaico de gelatinas coloridas. Eu adoro tanto a parte cremosa de leite condensado com creme de leite, quanto as coloridas e muita gente também adora, crianças e adultos. 
Essa sobremesa já fez parte da infância de vocês também? Costumam fazer por aí?
Se fizerem nessa quarentena não esqueçam de nos marcar, ficarei muito feliz em ver uma receitinha tão especial pra mim colorindo e alegrando lares nesses dias tão desafiantes.
Um grande abraço!

CAMILA CALDAS


quinta-feira, 7 de novembro de 2019

Rio de Janeiro: Um final de semana na Cidade Maravilhosa!

Confesso pra vocês que eu tinha medo de viajar pro Rio de Janeiro, afinal, as notícias que temos de lá são de apavorar qualquer pessoa mesmo. É muito triste saber que uma das cidades mais lindas do mundo também é uma das mais violentas. E realmente a cidade é MARAVILHOSA! Vou contar um pouquinho sobre a experiência que tivemos nessa viagem que não foi programada, mas que foi uma das melhores que já fizemos!

rio de janeiro
Mirante Dona Marta


Minha irmã está morando no Rio, veio nos visitar na semana anterior à semana das crianças e me chamou para ir com ela pra lá. Achamos passagem de ônibus com um preço muito bom, falei com meu marido e resolvemos viajar. Chegamos no Rio na sexta de manhã e viemos embora na segunda a noite. Foi um final de semana intenso e inesquecível!
Na sexta a tarde visitamos o Barra World. É o primeiro Shopping Temático do Mundo que reproduz a arquitetura e os principais monumentos de vários países.











E claro que como bons mineiros, saímos do Shopping no finalzinho da tarde e corremos pra praia. Estávamos loucos para ver o mar! A escolhida foi a praia do Recreio, que era a mais próxima do Barra World.


No sábado visitamos a praia da Reserva e depois ficamos em casa. Descansamos para passear bastante no dia seguinte!
No domingo saímos bem cedo e a primeira parada foi no Parque Lage! É um parque público da cidade, localizado aos pés do morro do Corcovado, na rua Jardim Botânico. Ir até ele é embarcar em uma viagem ao passado, na época do Brasil Colônia e descobrir muitos encantos em cada um dos seus atrativos. Além da arquitetura maravilhosa, o parque possui uma natureza abundante e tivemos o privilégio de ficar pertinho dos macacos-prego (vários nas árvores do parque).







Saímos do Parque Lage e fomos para o Trem do Corcovado. De lá acontecem as saídas das vans e do trem para o Cristo. Optamos por ir de Van, pois o tempo de espera do trem era maior e conseguimos um valor melhor na van. 
Na subida, paramos no Mirante Dona Marta. Um lugar lindo, com uma vista deslumbrante!


Depois do Mirante, continuamos a subida para o lugar mais esperado: o Corcovado, o Cristo Redentor. Palavras não são suficientes para descrever a emoção, a paisagem, a vista. Tudo é maravilhoso! Assim que chegamos aos pés do Cristo, as pessoas que estavam em uma missa realizada numa pequena capela que tem lá, começaram a cantar Noites Traiçoeiras, uma música que gosto muito e que marcou demais a minha vida! As lágrimas rolaram com força!


Pela foto vocês conseguem imaginar o poder do Sol lá no Rio de Janeiro né? Muito protetor e água o dia inteiro pra dar conta dos passeios!
Saímos do Cristo e fomos para a Estação do Bonde Santa Tereza. Para fazer esses trajetos, utilizamos Uber. Nos atendeu muito bem. Tanto os valores quanto a qualidade do atendimento.
O passeio de Bonde é muito gostoso! Eu nunca tinha entrado num bonde antes. As meninas também curtiram muito. Nós subimos até a ultima parada e na volta descemos no Largo dos Guimarães, no Santa Tereza, cheio de charme e atrações que trazem calma e uma sensação de fazer parte da história do Rio de Janeiro. No mesmo largo você encontra bares, restaurantes, um cineminha e lojas de artesanato, além de muitas casas com uma peculiar arquitetura do Rio Antigo. LINDO! Neste dia, tivemos a sorte de participar de uma feira orgânica, com várias barraquinhas com comidinhas deliciosas e música ao vivo. Só fomos embora porque anoiteceu. A vontade era de ficar muito mais!






Na segunda-feira a noite viríamos embora. Então, na parte da manhã resolvemos conhecer mais uma praia pra nos despedir. Minha irmã nos indicou a Prainha. Se você pensa que as praias da Zona Sul do Rio são lindas é porque ainda não conhece a Prainha! Numa região mais afastada, cercada pela Parque Natural Municipal da Prainha, não há acesso por meio de transporte público, somente carro. A praia fica próxima do bairro Recreio dos Bandeirantes, na Zona Oeste do Rio, e é uma ótima opção para fugir daquele clima de cidade grande e se sentir bem no meio da natureza! Também é ótima para surfistas, vimos muitos por lá, inclusive o ator Klebber Toledo! Deixou a praia mais linda ainda! rsrsrsr.
No final da praia tem um restaurante com uma vista deslumbrante, o Mirante da Prainha. Ótima estrutura para crianças, comida deliciosa, preço justo e excelente atendimento! Almoçamos por lá curtindo a vista!
Como a acesso à praia é mais difícil, é importante chegar cedo porque o estacionamento é bastante limitado e quando lota, eles fecham o acesso.






 
Depois dessa experiência incrível no Rio de Janeiro, o medo foi embora e eu pretendo voltar muitas e muitas vezes, com esperança de que em breve a violência e as tristezas que dominam parte dessa cidade sejam minimizadas e quem sabe extintas, para que a paz e o amor prevaleçam nessa cidade maravilhosa!
Abraços!!!





segunda-feira, 2 de setembro de 2019

Ressignificando uma perda gestacional após 7 anos!

Há 7 anos eu perdi meu segundo bebê. Era janeiro de 2012 quando descobri que estava grávida. Minha filha mais velha, a Mariana, estava quase completando 5 anos e ficou muito feliz com a notícia. Após 6 semanas, veio o sangramento. Depois de idas e vindas a médicos e hospitais, HCG não compatível com aborto e muita preocupação, descobrimos a gravidez ectópica. O bebê estava se desenvolvendo fora do útero, em minha trompa direita. Precisei fazer uma cirurgia de emergência para interromper a gestação, porque a trompa poderia romper a qualquer momento e gerar uma grave hemorragia interna. 

gravidez ectópica, constelação familiar

Após a cirurgia eu acordei com a sensação de um vazio enorme. Além de ter perdido o bebê, recebi a notícia de que foi preciso retirar a trompa e as possibilidades de engravidar novamente diminuiriam em 50%, e eu teria 20% de chances de uma nova gravidez ectópica. Em um momento como aquele, receber essa notícia sobre o meu futuro foi assustador. Toda essa situação desencadeou uma forte depressão e síndrome do pânico. Após 1 ano de tratamento eu me curei, fiquei livre dos medicamentos e no ano seguinte eu engravidei novamente.
A gestação e o nascimento da Helena foram momentos de grande superação. Ela nos trouxe uma imensa alegria, inundou minha vida com sua luz, mas ainda existia um vazio em mim que eu não conseguia preencher.

perda gestacional, constelação familiar
Imagem: obra do artista tcheco Martin Hudáček  - “Memorial a Criança Não Nascida”.

Durante um tempo eu consegui conviver com esse sentimento. De certa forma, eu o ignorei. Foi quando em 2018 eu iniciei uma jornada de autoconhecimento. Fui presenteada com o curso de Reiki, comecei a praticar Yoga e meditação, me aproximei ainda mais da minha religião (sou Espírita), voltei a estudar e iniciei minha especialização em Acupuntura. Nesse processo, aquele sentimento adormecido começou a incomodar. Eu senti que precisava ressignificar aquela perda. E um dia, rolando o feed do Instagram, vi uma postagem do Andrei Moreira (médico, homeopata, que também trabalha com Constelação Familiar) sobre os "filhos que não seguiram vivendo":

"Os filhos que não seguiram vivendo (abortados espontâneos ou não, natimortos, falecidos) são tão filhos quanto aqueles que seguem vivos. Eles também pertencem e não podem ser excluídos. Quando o são - o que acontece pela dor da perda - trata-se de uma dupla morte: não tiveram direito à vida e não lhes é dado o direito de pertencer à família. Isto fere o pertencimento, lei sistêmica natural, fazendo com que os excluídos sejam reinseridos no sistema familiar através de uma representação ou sintoma. No coração, os pais e irmãos se conectam a estes filhos e irmãos de uma forma especial, com um amor profundo e sempre presente, frequentemente ignorado e que sustenta movimentos em direção à morte (ou ao menos), para junto deles, por amor cego. Olhar para este amor - e sobretudo para o amor dos filhos que não viveram pelos pais e irmãos, o que é possível se fazer sozinho ou em um workshop vivencial de constelação familiar, por exemplo - respeitando-lhes o destino e dando-lhes um lugar de amor no coração, pode promover uma forte conexão com a vida e com a alegria de viver. Sempre sugiro às mães - ou aos pais - sentir se era um menino ou menina e colocar algo em si que o(a) lembre, como um anel ou um pingente. Isso ajuda a reforçar a inclusão e o lugar de amor no coração, bem como o movimento de vida."

perda gestacional, gravidez ectopica


Essa postagem me tocou profundamente. E eu busquei me conectar a esse sentimento. 
Através de orações, lembranças, intuições, meditações, eu senti que era um menino (na época já tinha sido revelado pra mim também) e realmente nos conectamos. E então eu sonhei. E no sonho eu conheci o seu nome: Francisco! E agora, o meu bebê tem nome e está representado neste berloque. Do meu coração, ele nunca saiu!

Constelação familiar, berloques, gravidez ectopica

gravidez ectopica, perda gestacional