Mostrando postagens com marcador cabelos cacheados. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador cabelos cacheados. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 11 de outubro de 2018

Minha transição capilar!

Em maio de 2017 eu resolvi não fazer mais escova progressiva no meu cabelo. Costume que eu tinha desde fevereiro de 2006.
Após 11 anos de cabelos alisados com produtos químicos, eu olhei para minhas fotos de cabelos cacheados e me deu saudade! Além disso, minhas duas filhas tem cabelos cacheados. Lindos! A mais velha sempre amou seus cachos, sempre usou seu cabelo natural e começou a me questionar o motivo por alisar o meu cabelo, já que eu sempre elogiava o dela.
Eu expliquei que quando eu fiz a primeira escova progressiva, aos 18 anos, não existia muitos produtos para cabelos cacheados , tão pouco salões especializados para os cuidados dos cachos. A química foi uma alternativa prática. 
Antes da progressiva, eu usava o cabelo natural e eventualmente, fazia escova e prancha e gostava do resultado liso (e ainda gosto!). Eu tinha a liberdade de escolher se queria usar o meu cabelo natural ou liso. Depois da progressiva, perdi isso!

transição capilar, cabelos cacheados, não é moda é resgate
Meus 15 anos com longos cachos!
Fiquei muito dependente dos produtos alisantes. Usava meus cabelos nos tamanhos médios/longos e logo que a raiz começava a crescer, eu retocava a progressiva para igualar ao restante do cabelo.
Com o tempo, meu cabelo perdeu volume, ficou fraco, muito oleoso na raiz e seco nas pontas. Havia quebra dos fios e muita queda. Veio a segunda gestação e após o parto, a queda aumentou demais!
Fiquei durante toda a gestação e fase da amamentação sem fazer nenhuma química. Mas sempre mantinha os meus cabelos escovados e pranchados, para igualar a raiz ao restante do comprimento. Foi então que minha irmã Marina (que sempre elogiou os meus cabelos cacheados) sugeriu que eu cortasse e parasse de alisar meu cabelo. Mas na época eu não escutei o seu conselho e assim que parei de amamentar, fiz mais uma progressiva!

transição capilar
2011 com longos cabelos lisos!
Surgiu então a onda dos cabelos cacheados! Comecei a ver amigas e conhecidas iniciando a transição, muitas inspirações, novas tendências, uma variedade enorme de produtos para tratar e cuidar dos cachos (comecei a usar na minha filha), salões especializados para corte e tratamento...Tudo isso me encorajou. Somou-se ao apoio da minha irmã, ao admirar todos os dias os cachinhos das minhas filhas e então, decidi resgatar a minha identidade!
Fiz a ultima progressiva em maio de 2017. E em junho eu fiz o primeiro corte. Optei por não tirar toda a progressiva de uma vez (para isso, só cortando muito curto). Meu cabelo estava na cintura e cortei na altura dos ombros. Mas continuei fazendo escova e prancha para igualar a raiz ao restante dos fios.
Em março de 2018 fiz um novo corte. Tipo long bob. Depois desse corte decidi que eu não igualaria a raiz às pontas e sim o contrário: as pontas é que seriam igualadas à raiz. Comecei a utilizar produtos que auxiliavam na finalização e definição dos cachos. Mas ainda alisava a franja para ficar "mais ajeitado". (essa ainda era a minha visão)

transição capilar

Durante todo esse processo eu tive várias inspirações e foi conversando com uma delas que recebi a indicação de um salão especializado: Nataly Sgoviah Conceito Cachos. Fui no Instagram, vi vários "antes e depois" e na mesma hora resolvi marcar o meu horário, para tirar todo o cabelo que ainda estava alisado.
Fui, sem falar pra ninguém, cortar meu cabelo bem curto, como eu nunca havia usado! E que atendimento perfeito eu recebi! Fiquei encantada com o corte, a consultoria, as informações, as técnicas que aprendi, o apoio e a qualidade dos produtos. Quando me olhei no espelho após o corte e o tratamento dos meus cabelos, fiquei admirada! Parecia outra pessoa! Eu saí de lá tão feliz e realizada. Livre!
Postei o resultado no Instagram e recebi muitos elogios, palavras de apoio, de incentivo, que me fizeram ter ainda mais certeza de que eu estava no caminho certo.

Corte em Setembro de 2018
Quantas mudanças internas vieram junto com essa transição. Durante 1 ano e 7 meses (período em que estive neste processo), muitas coisas mudaram na minha vida.
Na semana passada, minha irmã Marina (sempre me incentivando), me indicou um filme para assistir: Felicidade por 1 fio, da Netflix.
O filme foi baseado no primeiro livro da série da autora Trisha R. Thomas chamado Nappily Ever After ("Crespos para Sempre") e fala da jornada de uma mulher em busca de si mesma e de seu cabelo natural. Em uma jornada de autoconhecimento. Recomendo em especial para quem quer passar, está passando ou já passou pela transição capilar. Criamos uma identificação: estes impasses não são apenas nossos, não estamos sozinhas!
Eu gostei demais do filme e ele mostra claramente o que eu percebi em mim. Quantas mudanças internas e comportamentais surgiram após o corte! Era o que faltava para fechar  meu 2018, que foi um ano decisivo e transformador!
Hoje estou curtindo o meu cabelo curtinho e pretendo deixar meus cachos crescerem bastante! Aprendi a amar e cuidar do meu cabelo natural. E sei que o dia que eu quiser, eu posso fazer uma bela escovinha e usar ele liso também!
Tô amando essa liberdade!
Agradeço imensamente às minhas filhas cacheadinhas que foram meu maior incentivo. Quando eu pensava em desistir, olhava para o cabelo delas e já queria o meu igual! À minha irmã Marina pelo apoio durante esses 1 ano e 7 meses. E a todas as mulheres lindas que passaram por esse processo e foram minhas inspirações!

"As mulheres podem continuar usando entrelaçamento se quiserem, elas podem alisar o cabelo se quiserem, é uma escolha, não há nada de errado com isso. 
Mas também precisamos que elas saibam que há beleza no cabelo natural." 
Felicidade por 1 fio



quarta-feira, 18 de abril de 2018

Transição Capilar!


Cabelos novos por aqui! Uhu!!! Me sentindo tão linda, por dentro e por fora, que preciso compartilhar um pouco de histórias, sentimentos, superações e motivações! 

Esse é o cabelo que sempre existiu mas nem eu mesma o conhecia! Desde os meus 13 anos de idade fiz relaxamentos, e nos últimos 6 anos, além dos relaxamentos, fazia também progressivas. Ou seja, definitivamente, eu não sabia como era o meu cabelo. Tenho mais anos de cabelos quimicamente tratados do que anos de cabelos naturais. 


Transição capilar, Heloisa Drumond, Cabelos afro, cabelos cacheados, cabelos crespos, De volta aos cachos, A Liza que Fez, Nasceu uma mãe, Floresça Mãe, Mamãe Gatona,


Na infância vivi aquela fase na qual o cabelo "bom" era o liso, e cabelo "ruim" era o crespo. Nas mídias a imagem da mulher bonitona normalmente era a de uma mulher com o cabelo liso. Conheço muitas pessoas com histórias parecidas com a minha. Pessoas que que sofreram algum tipo de descriminação, ou que se sentiram diferentes e menosprezadas por terem cabelo afro.

Lembro das brincadeiras de infância e eu sempre colocava uma fronha na cabeça para simular um cabelo grande e liso. Eu sentia vergonha do cabelo alto e cheio de volume, que embolava após 10 minutos de haver desembaraçado.

Já sofri preconceito em salões de beleza. Quantas vezes...

Quantas vezes já escutei a piada: "cabelo ruim é igual bandido, ou tá armado ou tá preso." 

Em uma festa de família do ano passado uma parente próxima olhou para o cabelo da Nina e falou assim: "Coitada, foi puxar logo o cabelo do pai." Falei: "puxou o nosso cabelo." Ela falou "mas o seu cabelo é bom". 

Quando ia a algum lugar com piscina riam de mim pois o meu cabelo era impermeável. Hahahaha! Quantas vezes isso aconteceu...quantas vezes!

Na escola eu tinha o apelido de Helô Jubão. Estou aqui escrevendo e rindo, mas a verdade é que carreguei essas críticas idiotas comigo por muito tempo.

Transição capilar, Heloisa Drumond, Cabelos afro, cabelos cacheados, cabelos crespos, De volta aos cachos, A Liza que Fez, Nasceu uma mãe, Floresça Mãe, Mamãe Gatona,
Eu com 5 anos de idade! Amo essa foto!
Não parece mas eu estava vestida de Emília, em uma versão adaptada! Hahaha!


Transição capilar, Heloisa Drumond, Cabelos afro, cabelos cacheados, cabelos crespos, De volta aos cachos, A Liza que Fez, Nasceu uma mãe, Floresça Mãe, Mamãe Gatona,
Eu com 8 anos de idade!


Dores foram se acumulando com o passar dos anos. E aí o Papai do Céu me manda de presente essa princesa, de cabelinhos de molinhas, de coração tão bom, puro e lindo. Eu amo o cabelo dela, amo mesmo! Acho minha filha autêntica, linda, cheia de estilo e com o cabelo lindo, cheinho de "póim" - é a forma que falamos por aqui! E ela com certeza é a minha maior inspiração.


Transição capilar, Heloisa Drumond, Cabelos afro, cabelos cacheados, cabelos crespos, De volta aos cachos, A Liza que Fez, Nasceu uma mãe, Floresça Mãe, Mamãe Gatona,


Transição capilar, Heloisa Drumond, Cabelos afro, cabelos cacheados, cabelos crespos, De volta aos cachos, A Liza que Fez, Nasceu uma mãe, Floresça Mãe, Mamãe Gatona,


Um certo dia ela chegou da escola resmungando que o coleguinha tinha falado que o cabelo dela era "ruim", e o meu coração partiu. Na mesma hora vieram à mente todos os meus sentimentos da infância, e o desejo que ela não se sentisse como eu me senti. Nas brincadeiras ela começou a pegar uma fronha, colocar na cabeça, e a falar que aquele era o cabelo dela.  E por mais que eu a incentivasse em relação ao cabelo dela ela não queria tirar a fronha da cabeça. Mais uma vez eu me vi em minha filha. No dia-dia ela queria que o cabelo dela balançasse como o meu.

Então essa mudança foi por mim, e por ela também! 

Transição capilar, Heloisa Drumond, Cabelos afro, cabelos cacheados, cabelos crespos, De volta aos cachos, A Liza que Fez, Nasceu uma mãe, Floresça Mãe, Mamãe Gatona,


Já sentei em uma cadeira de salão para conversar sobre transição e percebi que não é uma ida ao salão que iria mudar tudo o que senti nestes anos em relação ao meu cabelo e aos comentários que já escutei. Precisava sentar comigo mesma, conversar internamente e fazer um processo de desintoxicação de tudo o que havia vivido até o momento. Nesse tempo de transição voltei atrás da ideia e acabei usando a progressiva novamente, mas juntei minhas forças e fui em frente! 

Transitar o cabelo foi chato demais. Mas o dia em que cortei meu cabelo, junto com a minha filha, foi uma felicidade tão grande! Ela amou, e eu também! Nesse dia o coração bateu mais forte. Nos preparamos para cortar o meu cabelo e também o dela, pois foi o primeiro corte. Fomos em um salão que é nossa inspiração diária, de transformação e criatividade em cabelos: A Liza que Fez!



 Transição capilar, Heloisa Drumond, Cabelos afro, cabelos cacheados, cabelos crespos, De volta aos cachos, A Liza que Fez, Nasceu uma mãe, Floresça Mãe, Mamãe Gatona, Transição capilar, Heloisa Drumond, Cabelos afro, cabelos cacheados, cabelos crespos, De volta aos cachos, A Liza que Fez, Nasceu uma mãe, Floresça Mãe, Mamãe Gatona,

E esses são os nossos novos looks! Estamos amando! Nina vez ou outra solta: "Mamãe seu cabelo está lindo, cheio de 'póim', sua linda"! Hahahaha! Essas crianças fazem maravilhas em nossas vidas!  Nessa semana ela falou "Mamãe, seu cabelo não balança, igual ao meu". kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk. Ri demais! Essas somos nós, integralmente, com o nosso cabelo estiloso! Estamos nos sentindo tão chiques andando de cabelos iguais por aí! Agora já até falam que ela é a minha cara!!!!! Hahahaha!

Transição capilar, Heloisa Drumond, Cabelos afro, cabelos cacheados, cabelos crespos, De volta aos cachos, A Liza que Fez, Nasceu uma mãe, Floresça Mãe, Mamãe Gatona,

Transição capilar, Heloisa Drumond, Cabelos afro, cabelos cacheados, cabelos crespos, De volta aos cachos, A Liza que Fez, Nasceu uma mãe, Floresça Mãe, Mamãe Gatona, Transição capilar, Heloisa Drumond, Cabelos afro, cabelos cacheados, cabelos crespos, De volta aos cachos, A Liza que Fez, Nasceu uma mãe, Floresça Mãe, Mamãe Gatona,

Me senti tão parecida com a minha filha, mas também parecida com minha mãe! 
Essas são fotos antigas dela! 


Em breve quero contar um pouco dos cuidados com os cachinhos por aqui! Estou achando bem mais prático do que antes. Passei quase um ano de cabelo preso pois ele estava trifásico: raiz natural, uma desondulação que fiz e restos de progressiva. Estava bonito não, mas valeu a pena a espera, paciência!

Estou feliz por estar vivendo novas experiências e me desfazendo aos poucos do que algum dia me afligiu! 






terça-feira, 15 de novembro de 2016

Assumindo os cachinhos! Empoderamento infantil


É no mês de Novembro que o calendário de datas comemorativas brasileiras tem uma de suas mais importantes conquistas: o Dia 20 de Novembro, Dia da Consciência Negra. Mas, o que essa data tem a ver com nossos filhos? Tudo! Para formamos cidadãos melhores e mais empáticos precisamos trabalhar com nossos filhotes, desde pequenos, que ninguém é melhor ou pior que ninguém, somos apenas diferentes, mas com IGUALDADE DE DIREITOS. Segundo a Declaração dos Direitos da Criança, todas as crianças devem ter direito à igualdade de tratamento sem distinção de raça, cor, sexo, religião etc.


assumindo os cachinhos empoderamento infantil