terça-feira, 11 de setembro de 2018

O que há por trás da crise do seu casamento?



Primeiramente, que saudade que eu estava de escrever aqui! Vamos lá!

crise no casamento
Eu, Ed e Ben ( barrigão =D )

Uma amiga me fez um pedido muito especial, pediu para que eu falasse de casamento, ou melhor, problemas no casamento. Pensei muito no que falaria ou como abordaria esse tema tão particular, mas não encontrei forma mais honesta do que falar sobre mim, sobre meu casamento!

Este post é bem especifico, destinado a todos que estão com um pezinho, a cabeça ou o corpo todo fora de casa.

Provavelmente você ouviu falar que casamento é difícil, aposto que sua mãe e todas as suas tias falaram isso, mas mesmo assim você casou! E descobriu que elas estavam certas, aliás, era mais difícil do que elas falavam ser!

Meu Deus, como pode um pelo no banheiro, uma apertada diferente na pasta de dente ser tão insuportável? Sim, um prato sujo na pia pode travar uma guerra sem fim dentro de casa! Convivência, meus amores! CONVIVÊNCIA!

É muito mais fácil um namoro, onde depois da briga, cada um vai para sua casa e amanhã é outro dia. É possível dar as costas para o problema até os ânimos se acalmarem.  Casamento não é assim. Em meio à guerra é muito difícil enxergar no outro, aquela pessoa que você se apaixonou. Você não é o único e nem só o seu casamento é assim. A verdade é que ninguém compartilha dos momentos ruins, um casamento em crise é vergonha para muitos, vão escondendo sem procurar ajuda , vão mascarando até não haver possibilidades de voltar atrás. Quantos casais você jurou que ficariam para sempre juntos e para sua surpresa se separaram? Não existe conto de fadas, não existe sorriso o tempo inteiro, ter problemas não é vergonha! Existem tantas guerras que cada um está travando atrás de largos sorrisos, que você nem faz ideia! Então não fantasie e viva a sua realidade, o seu casamento. Respeite sua particularidade.

O meu casamento não foi diferente, há mais de um ano eu saí de casa, juntei minhas trouxinhas, com a certeza que não voltaria atrás. Voltei para casa dos meus pais, porque achei que seria a melhor opção emocional, no momento, com meu filho no colo. Meus pais me receberam de braços abertos, sem julgarem nenhum momento a situação. Foi estranho, foi difícil, mas eu estava determinada.

Passaram duas semanas e uma amiga me ligou para saber se eu estava bem e para surpresa dela eu falei que sim! E ela indagou: Como assim bem? E só conseguia responder  sobre minha rotina, que agora eu tinha alguém para me ajudar, que era menos pesado e que eu estava me sentindo muito menos cansada, estava sendo uma mãe melhor. Momento algum eu falei a ela algo que refletia minha vida amorosa, sobre mim e o Ed.

Só para vocês entenderem, passamos por um período com nosso filho, que ele não dormia, já tinha mais de um aninho e simplesmente não dormia. Acordava no mínimo cinco e até onze vezes por noite. Uma noite bem dormida era de três horas de sono intervaladas. Foi assim por muitos meses, era insuportável! Trabalhava o dia inteiro, no fim do dia tinha que pegar um trânsito infernal, passar em supermercado, sacolão, chegar em casa e ainda fazer comida, cuidar da casa e isso sem dormir. Eram dois zumbis mal humorados dentro de casa, a nossa única alegria era nosso filho, era tudo em função dele. Naturalmente esquecemos de nós, havia uma muralha de obrigações entre a gente. Estava exausta, uma trombada no corredor era motivo de briga, já era pequeno o corredor, ele passou a absolutamente não comportar duas pessoas no mesmo espaço. Até que um dia o Ed fez algo que me desagradou e sabe o que eu fiz? Eu dei as costas e fui embora, sem sequer escutá-lo.  Foi a gota d’água,  foi despejar toda a culpa do meu cansaço nele. Durante as duas semanas nosso filho voltou a dormir e fui voltando ao meu estado normal, os problemas haviam diminuído e fui vendo que a culpa não era só dele, havia muitos erros, mas havia infinitos acertos e que fora todos os problemas de convivência, ele era sim o amor da minha vida! Ainda era aquele cara que planejou um casamento inteiro praticamente sozinho porque eu estava grávida e completamente voada, foi o cara que quando eu cheguei do serviço, num sábado, me avisou que nosso casamento seria na igreja mais linda da cidade e que ele já havia marcado. Ele ainda era o cara que eu sonhei em ter uns 59 nove filhos, ainda era o cara que sempre me dava o que comer quando estava mal humorada e sabia que isso era a única coisa que resolvia. Ele ainda era aquele bobo que me matava de rir com todas as suas infantilidades, ainda era ele o cara que sonhou em casar comigo e achou que eu seria a melhor esposa para ele. E eu estava sendo? Será? Foi aí que me dei conta que todas as coisas eram pequenas e que não importavam mais. Assim foi um mês fora de casa, foi aí que eu fui bater na porta dele e perguntar se já não era tarde demais! E ele abriu porta e pediu algo para comermos e nunca mais saí do lugar que é meu.

Então, espera aí, onde estava o meu problema? O problema era minha relação? A verdade é que eu estava curtindo umas férias da rotina esgotante que estava vivendo, não tinha nada a ver com meu relacionamento! Fora que é mais fácil transferir, colocar culpa no outro, o Ed tinha muita culpa, muita responsabilidade na situação em que chegamos, mas eu também tinha.

No casamento, se enxergamos portas de saída de emergência, saímos mesmo, a vontade é fugir! Quem no meio do incêndio não vai procurar sair daquele local? Poucos ficam para procurar um extintor e apagar o fogo.

Depois desse post, se você está arrumando suas malas, se sua cabeça ou interesse já estão fora de casa, pense melhor. Eu já corri do fogo, por imaturidade, por esgotamento, por medo, por me achar demais, por achar que era completamente suficiente e hoje sou a pessoa que sempre vai procurar o extintor para apagar o fogo. Como resultado, tenho um casamento muito melhor do que eu imaginei ter. Se tivesse ouvido isso de alguém, talvez,  minhas roupas nunca tivessem saído do armário.

Motivos para separar é a violência, os relacionamentos abusivos, a falta de sentimento, falhas sérias de caráter e não problemas de rotina, convivência e erros. Se não te violenta, se não te diminui é contornável, há solução. O casamento bem sucedido nada mais é que duas pessoas que aprenderam a ter tolerância com o erro do outro, pessoas que aprenderam a resolver os problemas, pessoas que pararam de acusar. Em uma relação é preciso abaixar os dedos, como isso é importante! Se você é mãe, entenda que seu lado materno não tem nada a ver e não substitui o seu lado esposa e serve o mesmo para o marido. Cuidado com os papeis de “superpais” e de “supermães”, eles podem falir seu casamento, é necessário um equilíbrio. Um relacionamento saudável resulta em crianças emocionalmente saudáveis.

Hoje nós temos um casamento maravilhoso e completamente imperfeito, os erros continuam praticamente os mesmos, mas o que fazemos deles mudou completamente nossa história. Eu continuo sendo explosiva, mas o Ed entendeu que preciso explodir de vez em quando, assim ele me deixa falar até babar com o maior respeito do mundo, me deixa ser a dona da razão, porque ele sabe que eu tenho necessidade de ser, escuta caladinho, concorda não concordando e engole quando sou injusta também. Mas sabe por que ele faz isso? Porque ele sabe que eu vou dar meus cinco minutos de pausa, ver que falei mais do que deveria, que perdi minha razão, vou pedir desculpas e ele vai me abraçar e me desculpar de verdade. Ele já sabe que eu sou assim e não se dói mais por isso, ele não deixa meu defeito crescer. Assim, como os defeitos dele, comecei a enxergar que o que ele não era tão bom em algo, ele era insuperável em outro ponto! E qual pesa mais? O lado bom é claro! Depois que aprendemos a mudar a forma de olhar, vemos que o outro não é tão vilão e nós não somos tão bonzinhos. Isso nos faz crescer. Meu amor, se seu parceiro te faz crescer mesmo em tempos difíceis, não saia dessa porta e se saiu, volte! Crescer dói muito, mas só o crescimento nos leva para patamares maiores. Pense nisso! Você não precisa de alguém que não te confronte, você precisa de alguém que te faça ser melhor do que você é.

E o amor? O AMOR, é aquela mágica que faz isso tudo parecer pequenininho dentro de um “me perdoe”, “eu te amo” e “sou grato”. Esse não é o amor fantasioso, esse é o amor real. Procure uma estrutura emocional, espiritual, seja qual for sua crença. É muito importante! Hoje nós participamos de um grupo cristão, temos toda semana um estudo bíblico domiciliar e tem mudado muito nossa vida quanto casal, quanto individual. Acho que Cristo nos mostra o tempo inteiro que o caminho é amar o próximo, olhar o outro com olhos de compaixão. Mais uma vez, seja qual for sua crença, isso muda uma vida, ou melhor, isso muda o mundo!

Não desista do seu casamento, se você leu até aqui é porque ainda tem motivos que te levam a acreditar nele. Não troque uma vida, por momentos, tudo lá fora pode te parecer mais fácil, mas nem tudo que é fácil pode te fazer realmente feliz. Se pergunte, honestamente, antes de qualquer decisão: O que está por trás da crise do meu casamento?

Eu acredito na família, em relações saudáveis e completamente imperfeitas. Com amor, todas as coisas se tornam possíveis.

Só posso finalizar este post, com um abraço fraterno e minha oração para o entendimento e sabedoria alcance cada coração apertado.

Ao meu Ed, obrigada por me fazer crescer tanto, obrigada por viver um amor real e imperfeito, obrigada por ser você, te escolherei a cada novo dia das nossas vidas. A você, meu grande amor, meu “me perdoe”, “eu te amo” e “sou grata”.



crise no casamento

Um beijo grande,
Lalá 









_

Um comentário:

  1. Que história linda !!conselhos valiosos ! Amei ! E também já bati na portinha do meu amor ❤ e não me arrependo !! Hoje estamos bem graças a Deus! Beijos

    ResponderExcluir

Obrigada!
Volte sempre!