Mostrando postagens com marcador cabelo afro. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador cabelo afro. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 15 de novembro de 2016

Assumindo os cachinhos! Empoderamento infantil


É no mês de Novembro que o calendário de datas comemorativas brasileiras tem uma de suas mais importantes conquistas: o Dia 20 de Novembro, Dia da Consciência Negra. Mas, o que essa data tem a ver com nossos filhos? Tudo! Para formamos cidadãos melhores e mais empáticos precisamos trabalhar com nossos filhotes, desde pequenos, que ninguém é melhor ou pior que ninguém, somos apenas diferentes, mas com IGUALDADE DE DIREITOS. Segundo a Declaração dos Direitos da Criança, todas as crianças devem ter direito à igualdade de tratamento sem distinção de raça, cor, sexo, religião etc.


assumindo os cachinhos empoderamento infantil

quinta-feira, 20 de agosto de 2015

Sobre o amor e loucura de uma mãe



Hoje, começo a minha história, contando sobre o amor de uma mãe. 




A mãe de uma menina americana que tinha vergonha de seu cabelo afro solucionou a questão de baixa auto estima da filha fazendo uma história em quadrinhos. Angie Nixon criou a revistinha “As aventuras da Moxie Girl” (“The Adventures of Moxie Girl”), na qual a personagem principal é sua filha de sete anos, Natalie McGriff, que vive uma super-heroína com poderes concentrados em seu próprio cabelo.
A iniciativa surgiu em 2014, quando Natalie começou a questionar a sua cor de pele e textura do cabelo. Para que a menina se sentisse melhor. Angie criou uma página no Facebook chamada “Natalie You're Beautiful” (“Natalie, você é bonita”). De lá, a mãe recebeu a sugestão de criar o HQ. Na trama, a protagonista odeia seu próprio cabelo até que descobre um xampu mágico que transforma os fios em marias-chiquinhas com super poderes, que a ajudam a lutar contra o crime. O texto é escrito por Natalie e Angie, antes de a menina dormir.

Leia mais no link: aqui

Lendo essa matéria, eu percebi o quando é importante, mostrar aos nosso filhos que Deus fez eles assim, para serem diferentes das pessoas! Que cada um carrega dentro de si um baú cheio de tesouros. Que ser diferente é legal. Que cada um tem seu cabelo, sua cor, seu gosto musical, sua religião, seu jeito de pensar. 

E o mais engraçado e que coincidentemente, no mês de Abril, minha filha Laura, passou a não gostar mais de seu cabelo. Depois de um coleguinha de escola gritar na entrada da aula, que seu cabelo era feio. Depois disso só queria andar com ele preso, não gostava mais de seus cachos. E eu ficava triste com essa situação, afim de contornar e nada com sucesso. Sendo assim, comecei a correr atrás das respostas que faltavam nas perguntas que me fazia. Me perguntava o porquê do cabelo dela não ser "grande para baixo", o porquê de ter aquela cor. E me fez a pergunta, que mais doeu, que mais tocou profundamente o meu coração de mãe, o porquê de ter aquele cabelo, que ela não gostava mais do cabelo black dela. Cheguei a explicar, disse que Papai do Céu quis ela assim, perfeita para as pessoas ao nosso redor! E que ele fez assim, para se parecer com a nossa família. 

E mais rápido que um vulcão, ela me responde: - Mamãe, mas o seu cabelo não é igual ao meu, seu cabelo é liso (quimicamente tratado) e de franja. Nós não somos iguais e eu não gosto do meu cabelo solto. 

O QUE EU FAÇO AGORA? O QUE RESPONDO? Engoli seco sua resposta e fui pensar. 


Pensei, pensei, pensei! E nada vinha à cabeça, de como reverter toda a situação. Pensei em tudo que poderia ter feito mudar de ideia. Sempre foi tão contente com seu cabelo. Adorava ir a feira comprar laços, fitas e tiaras para usar e fica mais bonita como ela mesmo dizia! Conversei com algumas amigas, conversei com a madrinha dela, conversei e nada a fazia mudar de ideia. Mas, como toda boa mãe, corri atrás e fui mais além! Só que a solução viria em um vídeo das SETE MENINAS CRESPAS. 

Ufa. Ufa. Quando Laura as viu, se identificou na hora. E já foi dizendo: "Olha mamãe, elas se parecem comigo. Mamãe o cabelo dela tem um laço lindo. Mamãe, compra pra mim?"

Vejam abaixo: 

Uma menina mais linda que a outra e estilosíssimas, que dá vontade de apertar e não soltar mais!

E depois disso, veio a minha solução. Ao ver essas crianças, fiquei mega curiosa de como seriam suas mães, de que elas viviam, de como faziam contra o preconceito para com elas e com as filhas. Até que me deparei com a Renata Moraes (pelo facebook mesmo), mãe da Elis e da Luiza. Gente, eu fico maravilhada com tudo que ela posta e da defesa dela pelo black e pela raça negra! E sendo assim, resolvi fazer uma loucura pela minha filha, em uma tarde de 02 de junho de 2015. Cheguei ao salão e decidi cortar meu cabelo no zero, sem arrependimento ou tristeza, para assim, crescer meu cabelo natural e acompanhar minha filha, para que possamos, juntas vencer qualquer tipo de preconceito e piadinhas. Achei válido, pois tudo foi feito com amor, aquele amor que a gente arranca lá do potinho que temos guardado dentro do coração para momentos especiais e importantes como esse! 


E é válido sempre lembrar, que devemos ensinar aos nossos filhos a respeitarem as diferenças de todos! Seja física, religiosa, sexual, de raça, de desenho preferido, de música predileta, de tudo! TUDO MESMO! Para que assim, tenhamos crianças mais espirituosas, que tenhamos crianças de bem para o futuro que vem aí! Façamos dos nosso filhos, os nossos super heróis diários.

Um beijo e pratiquem #filhoterapia


Ana Carolina
contato@mamaesortuda.com