Mostrando postagens com marcador Nasceu uma Mãe. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Nasceu uma Mãe. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 23 de julho de 2018

Carta para Rafael - Quimioterapia, efeitos e aniversário do vovô


Boa noite meu amor! Essa noite você vai dormir mais tranquilo? Na noite passada você deu trabalho porque ficou com saudades da vovó? Ela precisa ir na casa dela de vez em quando cuidar da tia Lu e do vovô também, nós não podemos ser egoístas!
Você sabe porque a vovó está ficando aqui com a gente direto? Vou te contar... 

A mamãe começou a fazer quimioterapia, fez a primeira no dia 15/06/18, era uma medicação vermelha e muito forte, dizem que pode dar muitos efeitos colaterais e a primeira semana é a mais complicada. 
A mamãe sentiu um pouco de enjoo, braços e pernas pesados e também faz os cabelos caírem, o da mamãe começou a cair com 13 dias.

Fase vermelha, quimioterapia, câncer de mama


Essa quimioterapia também pode fazer a imunidade baixar e a única recomendação do médico foi: 

- "A única coisa que ela não pode ter é febre acima de 37.8°, se isso acontecer, venha com ela imediatamente para o hospital." 

Mais ou menos 10 dias depois da quimioterapia comecei a ter calafrios e ao medir a temperatura:, 38.0°. Fomos para o pronto socorro e precisei ser internada, era uma terça feira e só podia ter alta se a medula respondesse bem e a imunidade voltasse ao normal. Para isso acontecer não podia mais ter febre e então decidi que a febre não ia voltar e a medula ia responder direitinho. No dia seguinte, sem medicação para estimular, a medula já estava respondendo e o tio Enaldo receitou uma medicação para estimular e responder mais rápido. Foi ótimo! 
A oncologia deu alta na quinta feira, mas ainda faltava a clínica que não deu alta porque apareceu uma bactéria no meu sangue e ainda faltava saber qual antibiótico a bactéria era sensível e se tinha oral.
A mamãe precisava receber alta até sexta a noite porque no sábado era aniversário de 90 anos do vovô e eu precisava ficar com você para a vovó e a tia Míriam poderem ir a festa. Como o vovô ainda não sabia de nada, também era muito importante nós dois irmos lá tirar foto com ele. 

Todos do hospital sabiam da situação e estava todo mundo aflito. Eu e seu pai não paramos em nenhum momento de pedir a Deus e a Nossa Senhora para dar tudo certo. Na sexta a tarde a médica entra no quarto e fala: 

- "Seu santo é muito forte, a bactéria é sensível a medicação oral, você vai receber alta." 

- "Meu santo é forte e Deus não falha!" 

No sábado, chegamos a festa e a mamãe começou a subir a escada com você no colo, foi quase impossível segurar o choro, eu só pensava: Obrigada meu Deus, obrigada por permitir que nós viessemos aqui hoje, obrigada meu Deus... 

Chegamos ao pé da escada e láaaa na frente estava a família tirando fotos, não vi direito quem estava lá, só vi a tia Nenha vindo na nossa direção com o olho cheio d'água e falei: 

- "Não chora!" 

Ela começa a chorar, me abraçou e falou: 

- "Maria Cláudia, que alegria te ver!" 

Pronto! Era tudo que a mamãe precisava para começar a chorar!

Lembro da vovó falando que não era para chorar, porque o vovô ia ver! Lembro que a tia Míriam Magalhães apareceu do nada, deu uma apertada no meu ombro e falou soprando meus olhos: 

- "Maria Cláudia, olha pra mim! Está tudo bem! Você está me ouvindo?" 

- "Estou!" 

- "Está tudo bem!" 

Engoli o choro e virei de costas dando de cara com o vovô que abriu um sorrisão e veio abraçar a gente. 
A tia Bruna que estava fazendo as fotos pegou o momento exato do encontro.

Cartas para Rafael, aniversário do vovô, 90 anos

 As outras fotos foram uma bagunça danada e muito legal. O vovô estava muito feliz mesmo. 

vovô fez 90, nós fomos

Depois das fotos fomos embora porque você ainda é muito pequeno para participar de uma festa dessa e o fato da mamãe ter recebido alta para estar em casa com você, foi a senha para a família inteira aproveitar a festa. 
Em relação a nós? Nós estamos aqui contando os dias para o aniversário de 100 anos, até porque já me garantiram que a festa de 100 vai ser bem melhor que a de 90.

efeitos da quimioterapia, tudo passa

Maria Cláudia Portes






quinta-feira, 19 de julho de 2018

Perda gestacional: tratamentos e autoconhecimento


Mais do que passar por uma experiência difícil, tirar pontos positivos de cada vivência é possível e imprescindível! Hoje após 6 meses da minha perda gestacional vejo o quanto mudei de lá para cá, o quanto me fortaleci, o quanto me conheci e o quanto isso contribuiu em vários pilares da minha vida. No princípio de tudo não conseguia me imaginar em tal momento, era tudo escuro e triste, mas sim, hoje me sinto bem, muito bem, e com outra visão da vida! 


terça-feira, 10 de julho de 2018

Quando se esquece, acontece... Quem tem fé, não desiste!



Depois de muitas viagens, saídas, eventos (eu e meu esposo temos uma vida agitadíssima), decidimos incluir mais um integrante neste embalo: resolvemos interromper o uso do anticoncepcional e preparar o corpo e a mente para a chegada do nosso amorzinho! Os planos eram de “limpar” o corpo (eliminar o excesso de hormônios, usei anticoncepcional por 11 anos), fazer os exames pré concepcionais e estudar novamente o ciclo menstrual (já tínhamos esquecido completamente como funcionava isso). E assim fizemos... Depois de tudo ok nos exames, partimos para as posições mais inusitadas (kkkk) regadas de amor, prazer, esperança e fé!

No primeiro mês de tentativa eu fiquei grávida! Psicologicamente falando né? É claro!!! (Kkkk). Gente, como eu me senti grávida! Lia todos os sintomas e automaticamente já os sentia! Pensava, que sorte, logo na primeira tentativa! Somos bons demais!!!(Kkk). Até teste de gravidez já tinha comprado (ansiedade em pessoa), e um belo de um negativo veio ao nosso encontro. Na mesma velocidade, pensei: é claro que não ia ser de primeira! (Kkkk). No mês seguinte faríamos a nossa primeira viagem internacional!

Deixamos rolar, mas sem pernas para o alto, sem fazer dia sim, dia não, sem expectativas, pois estávamos ansiosos com a viagem, com as malas e com as leituras sobre o país que visitaríamos... Na viagem curtimos bastante, passeios regados a bons vinhos e a bifes de chorizo, além de muita fé... Entrávamos nas belíssimas igrejas da Argentina e eu sempre agradecia por estarmos lá e pedia: Deus, estou disposta a esperar o tempo que for... Quando o Senhor achar que deve, nos envie um filho seu! Chegamos da viagem e contávamos e recontávamos empolgados aos familiares e amigos, sobre a nossa experiência no exterior! Nem lembrava de menstruação... Até notar o seu atraso! E como uma boa mineira, pensei: uai, será? (Kkk). Na segunda tentativa??? Melhor fazer o teste, e o maravilhoso positivo veio ao nosso encontro! Quanta alegria sentimos, meu Deus! Nosso bebê tinha puxado os pais mesmo e não quis ficar de fora da viagem internacional... O nosso bebê foi conosco e curtiu tudo no seu ninho de amor!

Contamos da gravidez apenas para a minha mãe, pois precisaria mais do que nunca dos mimos e das orações dela. Para o restante da família, contaríamos após os 3 meses. Após a primeira consulta de pré natal, fizemos o primeiro ultrassom (eu já estava com 8 semanas de gestação). O exame estava marcado para as 18:00 para que meu esposo pudesse ir (o dia mais longo da minha vida), como eu queria escutar o coraçãozinho do nosso bebê! Eis que na hora do exame, visualizamos apenas o saco gestacional, o embrião não (tive uma gravidez anembrionária)...

O coração que não ouvi não era somente dele, do nosso filho, mas era o meu também... Eu não acreditava que tinha esperado tanto para não sentir e ouvir o meu filho... O médico do ultrassom e a médica do pré natal pediram para repetir o exame depois de 2 semanas sugerindo erro de data (mas eu tinha certeza das datas, refazia todo o calendário na minha mente e sabia que não estava errada). Chorei a noite inteira e meu marido ainda manteve a esperança de “erro de datas” como os doutores da medicina. No dia seguinte, senti cólicas e o sangue desceu (aborto espontâneo). Que dor! Dor na alma, no coração... Dor que nunca havia sentido na vida... Mas Deus é tão bom que neste dia pude ficar em casa (era feriado da minha Santa de devoção) e pude me apegar a Ela e rezar pedindo que me curasse da dor, do buraco que havia se instalado em mim, no meu corpo e nos planos que havíamos projetado... No nosso coração, o nosso anjinho estará para sempre e temos a certeza de que ele nos protege e enviará um dia o seu irmãozinho para badalar conosco! Continuamos aguardando a nossa hora e os pedidos nas igrejas portenhas não será em vão... Que assim seja, amém!

Autora Anônima

quarta-feira, 27 de junho de 2018

Você terá que manter-se vigilante durante toda sua vida!

Como diria Simone de Beauvoir, nunca esqueça que basta uma crise política, econômica ou religiosa para que os direitos das mulheres sejam questionados. Esses direitos não são permanentes. Você terá que manter-se vigilante durante toda sua vida.

Ah, essa vigilância... Exaustiva e incansável que precisamos manter em uma sociedade que se compadece com o "pai de família" que pratica seu machismo cotidiano em outro país porque a desculpa está no excesso de álcool, enquanto usa a mesma desculpa (do álcool) para culpabilizar mulheres vítimas de assédio.

Vigilância que precisamos manter num país onde milhares de mulheres são assassinadas e violentadas brutalmente por homens ou grupos deles que não são responsabilizados, punidos ou se quer identificados. 

Vigilância que precisamos manter numa sociedade que meninas não podem brincar na rua, porque são raptadas, molestadas e têm a vida encerrada.

Vigilância que precisamos manter num país onde, quando uma mulher tenta falar, explicar suas posições, conhecimentos e propostas é comum a prática de mansplaining e/ou manterrupting

Quem Inova - Catraca Livre

segunda-feira, 25 de junho de 2018

Indicação de aplicativo: Dona App


Segunda-feira por aqui e a casa está como? Maravilhosa, cheirosa, organizada e limpa! Pronta para uma semana de muita animação, trabalhos no home office e externos também!!! Fui convidada a testar um aplicativo chamado Dona App, que é uma app de solicitação de diaristas no estilo "uber" e já fiz dois testes de sucesso com o app! 

Não tenho ajudante por aqui, sendo assim eu mesma faço a limpeza. Mas com essa correria entre trabalhos do blog, trabalhos fotográficos, loja virtual, vida familiar e social, nem sempre consigo deixar tudo limpinho do jeito que gostaria e do jeito que a minha casa merece. Esse teste me deixou feliz em ver que posso pedir para o dia e horário que quiser uma limpeza de urgência e que pode agilizar em muito a minha vida!

Baixei o aplicativo, que está disponível para Android, IOS e web (https://www.aplicativodona.com/), e fiz a solicitação da faxina para o dia, horário e local desejados!

Gostei muito da amplitude de horários do serviço. A limpeza tem 6 horas de duração, e o primeiro horário do dia é de 7 às 13h, e o último horário é de 18 às 0h., e estão disponíveis para todos os dias da semana, incluindo sábado e domingo! Se for necessário podem ser adicionadas mais horas de faxina.

No momento do pedido já ficamos sabendo do valor que vai ficar a diária. Vale para casa, apartamentos, studios, comércios, condomínios, clínicas, barzinhos e pós obra, com preços a partir de R$78,00!!! No momento do pedido podemos personalizar, colocando se há alguma área externa, janelas, limpeza de armário, se é preciso cozinhar, por exemplo.

Perda Gestacional: Rede de apoio


Assim que contei da minha perda gestacional para a família e também em minhas redes sociais apareceram muitas pessoas, MUITAS, que haviam passado por essa situação. Fiquei impressionada com tantos relatos de pessoas que já viveram perdas e com a rede de apoio que se formou ao meu redor. Sou muitíssimo grata a cada mensagem que recebi, a cada visita, a cada abraço, a cada presente fofo, a cada oração, a cada TUDO que possam ter oferecido de coração para que eu me sentisse melhor. Com certeza isso fez muita diferença para mim. Por mais que eu tenha buscado internamente forças para me recuperar, a minha rede de pessoas queridas me deixou muito bem amparada.

Abriu-se uma cortina em minha vida: muitas famílias perdem seus bebezinhos. A partir deste dia apareceram muitas mulheres que já haviam vivido o aborto e que vieram me procurar para conversar e contar um pouco das suas histórias e tentar me ajudar com as experiências vividas. Percebi que muitas delas viveram o aborto de forma silenciosa, sem amigos e familiares saberem. Algumas eram tão próximas e eu não imaginava as histórias que já haviam passado. Por isso resolvi escrever muitas coisas sobre o que vivi pois estes textos podem ajudar a quem passou, de maneira silenciosa ou não, por esta situação, e também, me ajudam pois escrever me faz um bem daqueles e posso fazer parte da rede de apoio de pessoas que talvez eu nem vá conhecer! O primeiro texto foi sobre como descobri que havia perdido o bebê e a mudança que isso causou em minha vida.


quinta-feira, 21 de junho de 2018

Porque não posso ter duas meninas?


Quando atingimos certa idade e estamos solteiros, as cobranças por namorados(as) começam.
Assim que começamos a namorar vem os questionamentos sobre o casamento.
No dia do casamento já perguntam por filhos.
Aí você tem uma filha e já falam que tem que tentar um filho ou vice versa.
E quando o segundo filho tem o mesmo sexo do primeiro? O segundo nem nasceu e já falam sobre um terceiro.
Porque não posso ter duas meninas?



quarta-feira, 6 de junho de 2018

terça-feira, 29 de maio de 2018

Perda gestacional: o princípio de uma nova fase de vida

Difícil até iniciar esse texto, mas quero muito escrever para vocês sobre o acontecido. Levei algum tempo para assimilar tudo o que passou e ter forças para escrever. No final de 2017, após muitas tentativas, veio a notícia de que estávamos grávidos. Nos preparamos muito para receber esse filho, bem como a Nina, minha filha. Mudamos de apartamento para poder caber mais pessoinhas lindas com tranquilidade (antes mesmo de engravidar), programamos o nosso ano de 2018, escolhemos um nome de menina e um de menino, sonhamos, planejamos e amamos estar grávidos novamente! Em minha intuição era um menino, e se chamaria Saulo (significado: aquele que foi muito desejado, que foi pedido insistentemente, aquele que foi conseguido através de orações).

Ultrassonografia, primeiro trimestre, translucência nucal, TN, Nasceu uma Mãe, gravidez, sexo do bebê, é menino, é menina, Mamãe Gatona, síndrome de down, doença cardíacas

quarta-feira, 16 de maio de 2018

A Segunda Vez



"Pela segunda vez, mãe. 
E então a oportunidade de se reinventar por inteiro quando se achava que não era possível de novo, já que inaugurar-se mãe é a mudança mais profunda da vida. 
Na primeira vez você se transforma. Na segunda vez você percebe que é possível ressignificar tudo.
Na primeira vez você agradece pela vida. A segunda vez te faz compreender o valor (de cada segundo) que ela tem.
Na primeira vez você se fortalece nos limites superados. Na segunda vez você se sente como um atleta que bate o seu próprio recorde. 
Na primeira vez você tem medo e insegurança. A segunda vez te traz outros medos e outras inseguranças. 
Na primeira vez você adoece junto com a primeira virose da cria. Na segunda vez você cuida, aumenta a fé e resolve. 
Na primeira vez você sempre dá colo. A segunda vez te transforma em polvo. 
Na primeira vez você acha que a fase de desenvolvimento atual é sempre melhor que a outra. Na segunda vez você relembra o quanto é bom um cheirinho de recém-nascido. 
Na primeira vez você é rígida com as regras. A segunda vez te traz liberdade com responsabilidade, justamente por saber o que é verdadeiramente necessário. 
Na primeira vez você não sai de casa nos primeiros meses. Na segunda vez você quer ir ao parque, ao salão, à academia e que acabe logo a quarentena! 
Na primeira vez você descobre o amor incondicional. A segunda vez te faz entender a infinitude do amor.
Antes de Marina e Isabela, o início do dia era o momento da preguiça. Agora é o mais alegre e caótico. 
A noite era uma criança. Agora as crianças dormem e você corre para dormir junto.
E um texto como esse, antes escrito durante o trajeto pra casa, agora demora dias. Por causa da emoção, por causa dos hormônios que te deixam fora do ar, por causa delas que preenchem qualquer tempo que seria livre. 
E o que se imaginava é sempre mais, é surpreendente, é maravilhoso!"

terça-feira, 15 de maio de 2018

A chegada da segunda filha....



Quando dizem que “Nenhuma gestação é igual a outra”, é verdade mesmo! E nenhum parto é igual ao outro também.
Se você teve um parto difícil, não se prenda a isso como empecilho para ter outro. Você pode se surpreender!
Se você teve um bom parto, vá na fé que outros também serão, mas se prepare para tudo!

Minhas 24 Horas, gestação, gravidez, cuidados na gravidez, dicas para segunda gravidez, segunda gravidez, Nasceu uma Mãe, maternidade real,

segunda-feira, 14 de maio de 2018

quinta-feira, 3 de maio de 2018

Relato de mãe: parto normal


Nenhuma gestação é igual a outra. Nenhum parto é igual ao outro.
Aqui, contei sobre meu parto (a)normal da primeira filha. Como o primeiro parto foi tenso, eu não estava esperando coisa muito fácil no segundo, mas foi. Eu consegui curtir o segundo parto, mas obviamente (sou eu, né?!), tiveram complicações...

Foto de Heoisa Drumond


quarta-feira, 2 de maio de 2018

Aparelho Ortodôntico Estético: utilização, manutenção, tempo de uso etc.


Sempre amei o meu sorrisão, mas por muitos anos deixei de cuidar dele, da forma como merecia e precisava, por medo de dentista. Tive uma experiência ruim há alguns anos, na qual precisei mexer em um dente, a anestesia não pegou, senti muita dor, e a dentista ignorou completante isso. Foi sofrido. Isso fez com que eu ficasse anos e anos sem ir ao dentista, mesmo sabendo da importância do cuidar. Fato é que cada vez que precisei nessa vida fui em um dentista diferente, em um consultório diferente.


Foto: Anna Belova

quinta-feira, 19 de abril de 2018

Como Ajudar os Filhos com os Estudos

É inevitável! Um dia, a hora de ir para a "escola de menino grande" chega. Tudo muda! Muda muito! 

A sala pode não ser tão colorida como na pré-escola, os deveres de casa ficam cada ano mais complexos e numerosos, os trabalhos, realmente, começam a dar trabalho, aumenta o número de disciplinas, conteúdos e professores (e é um desafio para a criança entender que cada um deles tem seu perfil de educador), as regras são mais rígidas, muita informação nova é apresentada, as provas começam, as etapas, as notas... 

Enfim! É um processo contínuo de crescimento, amadurecimento e adaptação. Engana quem acha que a ansiedade acomete apenas a criança. Os pais/famílias também passam por esse processo de adaptar ao novo. Especialmente nos primeiros anos da vida acadêmica, quando a criança precisa de muita ajuda para ler, escrever, interpretar, executar!

Uma pergunta que sempre fazemos é: como ajudar os filhos com os estudos? 

quarta-feira, 18 de abril de 2018

Transição Capilar!


Cabelos novos por aqui! Uhu!!! Me sentindo tão linda, por dentro e por fora, que preciso compartilhar um pouco de histórias, sentimentos, superações e motivações! 

Esse é o cabelo que sempre existiu mas nem eu mesma o conhecia! Desde os meus 13 anos de idade fiz relaxamentos, e nos últimos 6 anos, além dos relaxamentos, fazia também progressivas. Ou seja, definitivamente, eu não sabia como era o meu cabelo. Tenho mais anos de cabelos quimicamente tratados do que anos de cabelos naturais. 


Transição capilar, Heloisa Drumond, Cabelos afro, cabelos cacheados, cabelos crespos, De volta aos cachos, A Liza que Fez, Nasceu uma mãe, Floresça Mãe, Mamãe Gatona,


Na infância vivi aquela fase na qual o cabelo "bom" era o liso, e cabelo "ruim" era o crespo. Nas mídias a imagem da mulher bonitona normalmente era a de uma mulher com o cabelo liso. Conheço muitas pessoas com histórias parecidas com a minha. Pessoas que que sofreram algum tipo de descriminação, ou que se sentiram diferentes e menosprezadas por terem cabelo afro.

Lembro das brincadeiras de infância e eu sempre colocava uma fronha na cabeça para simular um cabelo grande e liso. Eu sentia vergonha do cabelo alto e cheio de volume, que embolava após 10 minutos de haver desembaraçado.

Já sofri preconceito em salões de beleza. Quantas vezes...

Quantas vezes já escutei a piada: "cabelo ruim é igual bandido, ou tá armado ou tá preso." 

Em uma festa de família do ano passado uma parente próxima olhou para o cabelo da Nina e falou assim: "Coitada, foi puxar logo o cabelo do pai." Falei: "puxou o nosso cabelo." Ela falou "mas o seu cabelo é bom". 

Quando ia a algum lugar com piscina riam de mim pois o meu cabelo era impermeável. Hahahaha! Quantas vezes isso aconteceu...quantas vezes!

Na escola eu tinha o apelido de Helô Jubão. Estou aqui escrevendo e rindo, mas a verdade é que carreguei essas críticas idiotas comigo por muito tempo.

Transição capilar, Heloisa Drumond, Cabelos afro, cabelos cacheados, cabelos crespos, De volta aos cachos, A Liza que Fez, Nasceu uma mãe, Floresça Mãe, Mamãe Gatona,
Eu com 5 anos de idade! Amo essa foto!
Não parece mas eu estava vestida de Emília, em uma versão adaptada! Hahaha!


Transição capilar, Heloisa Drumond, Cabelos afro, cabelos cacheados, cabelos crespos, De volta aos cachos, A Liza que Fez, Nasceu uma mãe, Floresça Mãe, Mamãe Gatona,
Eu com 8 anos de idade!


Dores foram se acumulando com o passar dos anos. E aí o Papai do Céu me manda de presente essa princesa, de cabelinhos de molinhas, de coração tão bom, puro e lindo. Eu amo o cabelo dela, amo mesmo! Acho minha filha autêntica, linda, cheia de estilo e com o cabelo lindo, cheinho de "póim" - é a forma que falamos por aqui! E ela com certeza é a minha maior inspiração.


Transição capilar, Heloisa Drumond, Cabelos afro, cabelos cacheados, cabelos crespos, De volta aos cachos, A Liza que Fez, Nasceu uma mãe, Floresça Mãe, Mamãe Gatona,


Transição capilar, Heloisa Drumond, Cabelos afro, cabelos cacheados, cabelos crespos, De volta aos cachos, A Liza que Fez, Nasceu uma mãe, Floresça Mãe, Mamãe Gatona,


Um certo dia ela chegou da escola resmungando que o coleguinha tinha falado que o cabelo dela era "ruim", e o meu coração partiu. Na mesma hora vieram à mente todos os meus sentimentos da infância, e o desejo que ela não se sentisse como eu me senti. Nas brincadeiras ela começou a pegar uma fronha, colocar na cabeça, e a falar que aquele era o cabelo dela.  E por mais que eu a incentivasse em relação ao cabelo dela ela não queria tirar a fronha da cabeça. Mais uma vez eu me vi em minha filha. No dia-dia ela queria que o cabelo dela balançasse como o meu.

Então essa mudança foi por mim, e por ela também! 

Transição capilar, Heloisa Drumond, Cabelos afro, cabelos cacheados, cabelos crespos, De volta aos cachos, A Liza que Fez, Nasceu uma mãe, Floresça Mãe, Mamãe Gatona,


Já sentei em uma cadeira de salão para conversar sobre transição e percebi que não é uma ida ao salão que iria mudar tudo o que senti nestes anos em relação ao meu cabelo e aos comentários que já escutei. Precisava sentar comigo mesma, conversar internamente e fazer um processo de desintoxicação de tudo o que havia vivido até o momento. Nesse tempo de transição voltei atrás da ideia e acabei usando a progressiva novamente, mas juntei minhas forças e fui em frente! 

Transitar o cabelo foi chato demais. Mas o dia em que cortei meu cabelo, junto com a minha filha, foi uma felicidade tão grande! Ela amou, e eu também! Nesse dia o coração bateu mais forte. Nos preparamos para cortar o meu cabelo e também o dela, pois foi o primeiro corte. Fomos em um salão que é nossa inspiração diária, de transformação e criatividade em cabelos: A Liza que Fez!



 Transição capilar, Heloisa Drumond, Cabelos afro, cabelos cacheados, cabelos crespos, De volta aos cachos, A Liza que Fez, Nasceu uma mãe, Floresça Mãe, Mamãe Gatona, Transição capilar, Heloisa Drumond, Cabelos afro, cabelos cacheados, cabelos crespos, De volta aos cachos, A Liza que Fez, Nasceu uma mãe, Floresça Mãe, Mamãe Gatona,

E esses são os nossos novos looks! Estamos amando! Nina vez ou outra solta: "Mamãe seu cabelo está lindo, cheio de 'póim', sua linda"! Hahahaha! Essas crianças fazem maravilhas em nossas vidas!  Nessa semana ela falou "Mamãe, seu cabelo não balança, igual ao meu". kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk. Ri demais! Essas somos nós, integralmente, com o nosso cabelo estiloso! Estamos nos sentindo tão chiques andando de cabelos iguais por aí! Agora já até falam que ela é a minha cara!!!!! Hahahaha!

Transição capilar, Heloisa Drumond, Cabelos afro, cabelos cacheados, cabelos crespos, De volta aos cachos, A Liza que Fez, Nasceu uma mãe, Floresça Mãe, Mamãe Gatona,

Transição capilar, Heloisa Drumond, Cabelos afro, cabelos cacheados, cabelos crespos, De volta aos cachos, A Liza que Fez, Nasceu uma mãe, Floresça Mãe, Mamãe Gatona, Transição capilar, Heloisa Drumond, Cabelos afro, cabelos cacheados, cabelos crespos, De volta aos cachos, A Liza que Fez, Nasceu uma mãe, Floresça Mãe, Mamãe Gatona,

Me senti tão parecida com a minha filha, mas também parecida com minha mãe! 
Essas são fotos antigas dela! 


Em breve quero contar um pouco dos cuidados com os cachinhos por aqui! Estou achando bem mais prático do que antes. Passei quase um ano de cabelo preso pois ele estava trifásico: raiz natural, uma desondulação que fiz e restos de progressiva. Estava bonito não, mas valeu a pena a espera, paciência!

Estou feliz por estar vivendo novas experiências e me desfazendo aos poucos do que algum dia me afligiu! 






sexta-feira, 13 de abril de 2018

Mamães Sortudas: Você nos conhece?


A gente escreve, organiza eventos, participa de eventos... Mas aparecemos como "Mamãe Sortuda".
Formamos um time tão gostoso! Adoramos quando conseguimos nos encontrar (se você nos segue nas redes sociais, vai ver que sempre que um encontrinho acontece, tem chuva de fotos, hehe), mas somos tão diferentes umas das outras... 
Somos um time muito muito eclético: gostos, profissões, preferências de publicação, dia a dia...

Venha conhecer um pouquinho mais sobre cada uma!



6 dicas para ensinar as crianças a escovarem os dentes



Se você é um cuidador que sempre se pergunta se há algum segredo, milagre ou maneira de conseguir convencer a criança a escovar e cuidar da saúde bucal, acalme-se! No post de hoje eu te contarei 6 dicas para esse momento acontecer. Acompanhe!

Foto: Dione Lopes 

Torne o momento divertido

É importante que você mostre que cuidar dos dentes e da saúde bucal é super simples, além de divertido. A hora da escovação precisa ser algo leve, tranquilo e legal de ser feita.
Vale a pena investir em escovas de dente coloridas, de preferência com desenho de personagens que gostam, cremes dentais saborizados. Músicas e livros infantis sobre o assunto também são sempre bem-vindos.

Explique o porquê da higienização

Os pequenos precisam entender que é necessário higienizar e cuidar da boca. Afinal, sorrisos brancos e limpinhos, gosto bom na boca, hálito refrescante, prevenção de cáries, saúde da boca e do corpo, quem não quer tê-los, não é mesmo?

Exemplo é tudo

Se a criança vê que os mais velhos possuem o hábito saudável de cuidar dos dentes, ela vai seguir o mesmo comportamento. É o famoso espelho/reflexo.
Como formação do indivíduo, os pequenos imitam o que os pais fazem, e escovar os dentes com eles é até um momento gostoso de se viver. Não se esqueça do elogio!

Fale das consequências, mas sem exagero

Criar medos nas crianças não é o caminho. “O dentista vai te dar injeção”... “é o monstro da cárie”... Esqueçam tudo isso! Não é adequado usar essas falas. Comunicar assim acaba gerando traumas que podem atrapalhar a criação do hábito, inclusive às visitas ao dentista.

Participe da rotina

Além da rotina de cuidados bucais, acompanhe a criança em todas as idas ao dentista, pois ela se sente mais tranquila com você por perto. Comporte-se com naturalidade e busque profissional que atue com odontologia infantil mas com foco em atendimento da família.
Lembre-se que a doença cárie é transmissível e os cuidadores precisam receber orientações sobre este assunto. Aproveite e tire dúvidas com o profissional.

Hábito bom se começa desde cedo

É muito importante desde cedo ter o hábito para que possam mantê-lo pelo resto da vida.

 primeiros dentinhos, mr clean odontologia e saúde, kenia monteiro


Kenia Monteiro
CROMG18498
Gestora e responsável técnica



Conteúdo produzido em parceria com a Mr.Clean Odontologia e Saúde.


_

segunda-feira, 2 de abril de 2018

2 de abril – Dia mundial da conscientização do autismo


Tenho uma amiga (Dirlene) que é uma excelente fonoaudióloga, especialista em linguagem pelo Conselho Federal de Fonoaudiologia. Ela atua no atendimento a crianças com transtornos no Desenvolvimento da Fala e linguagem, Deficiência intelectual, Autismo, Síndrome de Down, Dificuldades de Aprendizagem e no suporte à em Inclusão Educacional através de orientações, consultorias, palestras e assessorias. 

Como dia 02 de abril é dia o mundial da conscientização do autismo, pedi a ela que escrevesse um texto sobre o tema. Vamos conhecer mais sobre o assunto?

autismo, Autismo X Superação, fonoaudióloga, tudo sobre autismo, conscientização, nasceu uma mãe, interação social, comunicação


terça-feira, 20 de março de 2018

Saúde bucal na primeira infância


Independentemente da técnica de higienização utilizada, é importante que seja realizada sobre todos os lados dos dentes e gengivas. Hoje é dia de dicas de saúde com a Mr.Clean Odontologia e Saúde aqui no Mamãe Sortuda!

Método efetivo para remover a placa bacteriana é:
· uso do fio dental antes da escovação
· Limpeza da língua