terça-feira, 13 de junho de 2017

Criança namora, cozinha, é médica, professora e muito mais!

Antes que sensacionalizem o trem todo, preciso dizer que não falo de uma criança incomum que nasceu com tudo isso latente! Estou falando do mundo infantil seus encantos, criatividade e delícias! Pra quem se esqueceu, vai um lembrete: criança sempre namorou ! Se o mundo de hoje está "perdido", erotizado, cheio de perigos e a internet é um caos, a culpa não é delas. Vamos voltar o foco para o lugar certo?

Condenar o namorico infantil para mim e dizer claramente para as crianças que elas não namoram nem de brincadeira, é uma forma de responsabilizar a criança  por problemas mais sérios, em sua forma natural de imitar o mundo adulto! É acreditar que elas precisam reprimir e esconder qualquer sentimento fofo que talvez floresça em seu coraçãozinho. 





Durante o tempo que venho refletindo sobre o assunto, lendo e me inteirando de campanhas lançadas, eu só pensei neste porquê: Reprimir é mais fácil, um caminho mais curto, menos demorado para que alguém haja como esperamos!

Será que não usamos esse atalho de forma errada quando devemos de fato combater a pedofilia que pode estar mais perto do que imaginamos, ensinando que adulto não namora com criança, que ninguém toca do corpo de uma criança sem mãe e pai saber e por aí vai?

Será que não usamos esse atalho de forma errada quando devemos de fato combater a erotização precoce limitando o contato da criança ao conteúdo infantil, tendo controle dos seus acessos a internet, horas que usa equipamentos tecnológicos com inúmeras janelas para o que ela quiser e incentivando-a a conviver com crianças, imaginar e brincar de faz de conta como qualquer outra criança?

Será que não usamos esse atalho de forma errada quando devemos de fato combater a adultização da infância feliz, que cada vez está mais sumida com crianças sem tempo de serem crianças, agirem como crianças, dançarem como crianças e namorarem como crianças? 


Li este texto da Bebel, Meu filho namora! Namoro de criança!
Me identifiquei super! Ufa, não sou a mãe alienígena! 
Cecília pode namorar namoro de criança! E também, pode se maquiar como uma criança com cores escalafobéticas e nada a ver com nada! Mesmo sabendo o nome de todos os produtos por interesse próprio e muitas perguntas, só passa sombra, batom e finjo um blush! Maquiagem acima de tudo tem a ver com cores gente, nada mais infantil! A gente só não pode exagerar não é?


Erotização precoce e adultização tem a ver com a perda de espaço e tempo da criança de ser criança! Que deve conviver com criança, que deve sair da frente das janelas tecnológicas e brincar com todo o seu faz de conta, que deve viver o mundo infantil sem repressão, mas com limites explicados e sadios. Que deve ter seus momentos de tédio e conexão com sua criatividade e essência. Talvez  com a necessidade de sempre buscarmos acertar, acabamos pecando por excesso e me incluo no pacote. Pais não são perfeitos.


Será que a gente não anda exagerando em algumas coisas, reprimindo demais e deixando os filhos por outro lado soltos demais pela falta de atenção, ouvido paciente, ombro amigo e o verdadeiro limite do "NÃO" proferido e sustentado até o fim?
Será que a gente não diz "NÃO" demais para depois acabar em contradição, perdendo a rédea da educação? 
Será que não deveríamos economizar os "NÃOS" quando formos entrar no mundo do faz de conta? 


Reprimir não é educar, educação é outra coisa!

Beijos







_

0 comentários:

Postar um comentário

Obrigada!
Volte sempre!